Parte do processo

Decidiu não falar com ela, sabia que jogaria toda a culpa em seus ombros e sentia medo em deixa-la saber disso. 
 Sentia-se perdida na vida, haviam roubado seu show e seu barco seguia lento, quase parando. Tinha dias que sentia-se em movimento como um coelho na neve, mas era a típica pessoa solitária e excluída. Ela era o negro pobre do bairro.
 Também não gostava daquela disputa com os outros. Queria declarar-se dizer que à queria ao seu lado, sorrindo e dançando, mas só pensava na tristeza profunda que afligia seu peito. Assistiu algo deprê no monitor, para em seguida procurar respostas em algumas series de tv, mas sem esperanças de um final realmente feliz!
 Não se vangloriava, talvez devesse tentar fazer diferente, estava sempre mordendo mais do que podia mastigar. 
Não queria mais aqueles rostos bravos, amaldiçoando alto, mudando os lugares, vivendo o orgulho.
Tudo que queria era ter algum sucesso, mas não monetário. Queria algo pessoal, para sua alma, não por dinheiro e fama midiática. Te-la junto a si, seria sua maior conquista, mas a chance nunca estava por perto.
Tentaria crescer e consertar o não-feito. Não tinha companheiros para navegar e seus medos eram a grande montanha que deveria escalar.
 No final, perdeu o blues e voou para dentro de uma gaiola. Quem diria? Ela era a notícia que estava fora do loop. Sabia que sonhar é um canto da mente e gostou de viver como um cego. Faz parte do processo!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Opium Jones’s story.