Ver

É engraçado entender que não existe pecado
Que dos erros os quais eu cometi o único real é ter me afastado
Afastado não por mim mesma, mas por ter estado cega, como que envolta por uma névoa densa
Estar envolvida sem saber
Perder a visão acreditando ainda estar vendo
Não deixando de lado minha responsabilidade
É tudo culpa minha
Mas de que adianta culpar-me se há mais com o que me preocupar
Agora já não sei mais como é ver
Não sei mais como usar meu olhos
Verdadeiramente usá-los
Quando descobri ser cega, ansiei por ver, mas quando vi não sabia mais olhar
Porém haverá um dia em que os olhos se ajustarão por mãos maiores que as minhas.

  • Isabela.
Like what you read? Give Isabela a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.