Então restou-me a despedida…

Eu ainda me sinto triste. Sinto-me abandonado. Descartado.

O que eu fiz de errado?

Por que ele me ignorou sumariamente, como se eu fosse nada?

Ele não sabe que eu gosto dele? Por que não falou comigo, não me disse que não sentia o mesmo por mim… seria bem melhor do que simplesmente me ignorar!

E as promessas que fiz? E os sentimentos que expressei? O que eu sinto por ele, não vale nada?

Talvez não… para ele, não.

Eu não esperava por isso. Estou triste e surpreso.

Fui eu quem causei tudo isso?

Será que eu não sei amar?

Não entendo… eu gostaria apenas de entender. De me sentir considerado.

Não queria que tivesse esse vão entre nós. Não era minha intenção. Não queria que acabássemos assim, longe do outro, ignorando um ao outro…

Fui imaturo?

Faltou proatividade? Confiança? Iniciativa da minha parte?

Eu tentei, juro que tentei! Enviei mensagens… que não foram respondidas. Perguntei como ele estava… e a resposta vinha seca e desinteressada. Falei que queria vê-lo, dei sugestões de como poderíamos nos encontrar… e recebi desculpas de que não ia dar.

Não sabia mais o que fazer. Não conseguia me conectar. Não conseguia estabelecer mais uma conversa… eu acreditava que ele precisava do espaço dele, e assim fui paciente. Respeitei seu silêncio, mesmo estranhando, mesmo sabendo que alguma coisa não estava bem… mas ele não me dizia o que estava acontecendo. Ou o que estava sentindo. Eu estava no escuro, tentando entender, tentando fazer sentido.

Então, tomei a inciativa, falei com honestidade sobre meus sentimentos, e coloquei a responsabilidade sobre mim… esperava apoio, ou pelo menos uma conversa atenta, um acolhimento… mas recebi uma repreensão. Ele disse que eu estava exagerando, que não tinha razões para pensar que algo estava errado. Mentira! Porque se de fato nada estava errado, o que explica essa indiferença de agora?

Estou triste porque ele não me disse nada. Não conversou comigo. Não foi honesto, franco, em me falar que não ia dar certo. Ele preferiu me ignorar, ser indiferente, ficar em silêncio. Isso machuca! Para quem me ligava toda a noite, mandava mensagem de bom dia, fazia planos para nos encontrarmos… de repente começa a agir como se eu não existisse mais, como se eu fosse algo descartável… e logo depois de eu expressar meus sentimentos!
Eu não esperava por isso, Cícero… estou profundamente magoado. Não esperava isso de você.

Por quê? Será porque não sou interessante? Ou porque não viajo para vários lugares, ou compartilho minhas atividades no facebook, ou não tenho um corpo bonito, ou uma personalidade extrovertida? Ou não exponho minhas opiniões nas redes sociais, não acompanho os assuntos da moda como o Oscar, ou sou sensível demais, ou penso demais nas coisas?

Cícero… eu sou diferente desse estilo de comportamento que a maioria das pessoas tem. Não quero mudar a mim mesmo apenas para te agradar. Gostaria que você gostasse de mim do jeito que sou… Sei que sou imperfeito, e tenho muitas coisas para mudar. Mas não quero também me sentir inferior apenas porque você valoriza essas outras coisas que eu não posso oferecer.

Eu queria ser seu amigo pelo menos, mas porque você me tratou desse jeito?

Não quero, Cícero, ter ressentimentos por você. Eu devo lidar com os meus sentimentos, porque sou responsável por eles. De agora em diante, não quero nutrir mais esses sentimentos por você. Vou tratá-lo bem, com respeito e gentileza. Mas nada além disso. Você é uma pessoa que eu conheci e gostei. Mas acho que será melhor para nós dois se cada um seguir seu caminho.

Desejo tudo de bom para você, Cícero. Quero que encontre alguém que seja aquilo que você procura, e que você seja feliz com essa pessoa. Se tivermos a oportunidade de sermos amigos, eu ficarei muito contente. Mas isso só o tempo dirá.

Por enquanto, vou ficar no meu silêncio, vou cuidar de mim. Amansar meu coração, acolher minha tristeza e me dar tempo e espaço para curar. Foi um grande aprendizado! Aprendi muito com você nesse curto período, embora intenso, onde te conheci. Aprendi que a força do sentimento pode nos deixar cegos para aquilo que é óbvio, e que antes de iniciar um relacionamento, é preciso se deixar conhecer e conhecer o outro. Nesse processo de conhecimento, saberei se vai dar certo ou não. Também aprendi a ser eu mesmo, e não ter vergonha disso. Que a dor da rejeição passará. Mas o consolo de ter sido íntegro me ajudará na recuperação.

Obrigado por essa experiência. Eu não enxergo e vivencio a realidade da mesma forma que você. Preciso tratar as experiências trazendo significado e representações que façam sentido para mim. Então, não ficarei surpreso se você não compreender tudo isso. Até é esperado que você não compreenda. Está tudo bem.

É isso, Cícero. Eu acredito que disse tudo que estava em meu coração no momento. Você é um grande homem, maravilhoso. Mas você busca outra coisa, e não sou eu que posso oferecer. Queria poder, mas não posso. Agradeço por cada momento que ficamos juntos, cada conversa, cada ligação, cada mensagem de bom dia, cada foto e experiências picantes que tivemos… tudo foi muito especial para mim. Muito obrigado me permitir estar em sua companhia.

Gosto muito de você, Cícero, mas preciso deixá-lo ir. Espero que você não guarde ressentimentos por mim. Perdoe-me se eu tiver lhe magoado. Se bem que eu acredito que, na verdade, você não esteja nem aí para mim.

Adeus, Cícero. Apaguei seu contato, não poderei mais lhe enviar mensagens ou fazer ligações. Tive que fazer isso para conseguir deixá-lo ir.

Mas se você quiser falar comigo, estarei disponível. Estou do seu lado, mesmo ferido. Uma ferida que eu mesmo causei em mim. Você ainda tem meu número — pelo menos eu acho. Mas, sinceramente, preciso parar de esperar que você vai entrar em contato. Você não vai.

Eu ainda vou levar um tempo para superar isso. Para processar e absorver toda essa mudança. Será doloroso, mas eu vou cuidar bem de mim nesse processo. Serei meu melhor amigo.

Sabe, às vezes fico pensando se há algo errado comigo. Quando ouço as músicas da anavitoria, por exemplo, fico pensando se eu não sei amar alguém. Mas, talvez, eu ainda não tenha encontrado alguém com quem eu tivesse e pudesse experiênciar esse tipo de demonstração de afeto, de amor. Onde isso pudesse ser construído juntos. Sim, porque eu preciso construir isso em mim. Eu sou imperfeito. E não sou aquilo que você procura.

Lamento, Cícero. Mas preciso dizer adeus.

Foi bom ter te conhecido, querido. Guardarei muitas lembranças. Espero que você fique bem.

Adeus, Cícero.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated O Próximo Compasso’s story.