não faz sentido. eu não faço sentido. ao mesmo tempo que sou forte como um furacão, um sopro me destrói, caio sem as mil pétalas no chão.

em textos lhes conto de medos, de amores não vividos, de sonhos. não levanto mais meus pés assim que os boto no chão quando acordo. ao mesmo tempo que imploro por ajuda eu me escondo atrás de mim. minha própria sombra tem medo do sol, medo da luz, e eu sou luz. ela some. eu sumo. ninguém viu.

ainda eles tem a coragem de me dizer que sou difícil, sou complicada, impossível de ser amada. como se eu não soubesse. se tem uma pessoa que me conhece bem essa pessoa não sou eu, certamente.

louca, desapegada e apaixonada.

rio de uma rachadura na calçada, aleatória, atirada. cada sorriso meu parece bala. ele some e ninguém viu.

ontem conheci ela, hoje não conheço mais. oi bom dia, como foi sua vinda? desculpa sumir, as vezes nem eu me vejo. estou ocupada demais me me procurando para me dar atenção que esqueço de dar atenção pros outros. mas eu ainda me preocupo com você, não desiste de mim, eu ja desisti.

eu juro que tento ser forte. acho que as vezes meus roxos são de batidas internas, naquelas quinas do coração. sou feita de amor, então por quê não?

às vezes me olho no espelho e vejo duas pessoas diferentes, as vezes mais. em meio a uma crise o espelho se multiplica aquelas duas viraram sete e eu já perco a conta e caio no chão aos prantos. quem sou eu afinal? o que vocês fizeram comigo? o que eu fiz comigo? sou meu pior inimigo. eu não devia ter nascido eu não devia ter nascido eu não devia ter nascido eu não devia ter nascido.

respiro. me recomponho. sou meu melhor amigo. repito. eu sou quem eu quero ser, sou quem sempre quis ser. sou o melhor que posso ser. pra mim. não pra você.

peço mil desculpas se eu sem querer me revoltar, me humilhar, me resguardar. minha mais sincera forma de pedir socorro é me afastar. espero que entenda.

não sinto pena de mim e não quero que você sinta. sinta orgulho de me ver fora da cama todos os dias. sinta orgulho de cada uma dessas linhas. pois foram escritas com cada cicatriz que estampa o meu corpo, espalha pelo cafofo e me faz ser quem eu sou.

quem você é?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.