Existe vantagem em ser invisível?

Até o momento, As Vantagens de Ser Invisível (The Perks of Being a Wallflower) é o meu livro e filme favorito. Eu tenho uma paixão muito grande por eles, principalmente porque ele conversou comigo de uma forma muito intensa.

“Eu me sinto infinito”

Talvez essa seja a minha citação favorita. Nutro uma paixão por ela por diversos motivos, como, por exemplo, ser um momento de descoberta do Charlie, mas também um jeito que eu consegui me descobrir. Eu me sinto infinito de diversas maneiras, uma delas é com você. Em A Culpa é das Estrelas existe a frase “Alguns infinitos são maiores que os outros” e tem um significado tremendo, cada momento que eu me sinto infinito com você é maior de alguma maneira.

O infinito é algo que nos parece tão distante, algo intocável. Serão finitas as vezes que vamos nos ver, mas não quero saber quantas vezes serão. Mas são momentos infinitos, momentos em que eu me sinto infinito.

“Então, eu acho que somos o que somos por várias razões. E talvez nunca conheçamos a maior parte delas. Mas mesmo que não tenhamos o poder de escolher quem vamos ser, ainda podemos escolher aonde iremos a partir daqui. Ainda podemos fazer coisas. E podemos tentar ficar bem com elas.”

É, talvez nunca conheceremos as várias razões do porque somos o que somos, mas descobrir, mesmo que uma, já é incrível. Somos o que somos por diversos motivos, seja por quem nos ensinou as coisas, com quem andamos, por onde vivemos, mas também por quem amamos. A vontade de agradar as pessoas que a gente ama é inevitável, tentar fazer do melhor para ele, ou então, fazer o que está ao seu alcance e mais um pouco.

Mas as vezes nem tudo é recíproco.

Nem tudo você vai ter de volta, nem tudo você receberá da mesma intensidade. Tente. Experimente. Pode ser que não vá ficar muito feliz com as coisas que acontecem, mas são as experiencias que você carregará e que terá que lidar.

Ainda podemos fazer coisas. E podemos tentar ficar bem com elas.

“A gente aceita o amor que acha que merece.”

Podemos amar. Podemos e devemos. Amar, uma palavra tão simples de se escrever, mas tão difícil de descrever. Como ainda descrever quem amamos e o porquê amamos ele? Stephen Chbosky conseguiu sintetizar o porquê de amarmos alguém. “Simples”. Cada um aceita o amor que julga merecer, cada um ama quem pensa que merece o seu amor.

Mas será mesmo que ele vale o seu amor? Como fazer merecer pelo amor dele?

Talvez essas perguntas não sejam fáceis de responder, varia de pessoa pra pessoa, de relação para relação. Talvez essa seja uma das coisas mais difíceis de serem entendidas pelo homem: as relações amorosas. Saber definir com exatidão e em palavras o que sente e o que ele [o amor] faz com o seu corpo está longe de ser fácil.

“ — Desculpe. Eu sinto muito.
E eu realmente sentia. E sabia que ela acreditava em mim. Mas quando isso não fez nenhuma diferença, e não houve nada no telefone a não ser o silêncio, eu reconheci que era tarde demais.”

As vezes acabam que o sentimento de culpa nos pertence. Culpa de ter dito ou feito aquilo, culpa também de ter deixado de fazer ou dizer. Acaba nos restando um pedido de desculpas.

“Desculpa, eu sinto muito”

Dependendo da situação, não é nada fácil de aceitar um pedido de desculpas. Mesmo que não faça diferença para você, dizer isso pode aliviar um peso enorme das costas. Mesmo que seja tarde demais, diga.

Diga.

Diga o que sente, isso vai te ajudar. Expresse os seus sentimentos, mesmo que seja através de textos como este. Não se prenda a guarda-los apenas na sua cabeça. Transpareça. Exista. Ame. Seja infinito.

“Então, esta é a minha vida. E quero que saiba que sou feliz e triste ao mesmo tempo, e ainda estou tentando entender como posso ser assim.”

Com amor,
Ícaro.

*Todos as citações foram retiradas do livro “As Vantagens de Ser Invisível”, do Stephen Chbosky.