Grandioso Botafogo! No Canindé, Botafogo atropela Portuguesa e assegura-se entre os melhores

Crédito — foto: Rogério Moroti/Agência Botafogo

1, 2, 3, 4, 5 a 0 na Portuguesa, que vitória do Botafogo! Na fria manhã do domingo (12), no estádio do Canindé, em São Paulo, o Tricolor deixou de lado sua condição de visitante, mandou na partida o tempo inteiro e aplicou uma goleada elástica contra a Lusa, dona da casa. O resultado mantém o time de Márcio Fernandes na 2ª colocação do Grupo B e entre os 3 melhores de todo o Campeonato Brasileiro da Série-C com 9 pontos ganhos em 12 disputados (aproveitamento de 75%).

O triunfo, o primeiro fora de casa, trouxe boas surpresas. As canetas, chapéus, ou seja, a individualidade de cada botafoguense apareceu e ecoou, porém o que transcendeu foi o coletivo. Há muito tempo o torcedor não via trocas de passes consistentes e inversões de jogo efetivas. Em 3 dos 5 gols os goleadores receberam assistência (2 de Daniel Borges, 1 de Rodrigo Thiesen). Alemão, o qual não estava tendo boas atuações, abriu o caminho da goleada, anotando os dois primeiros gols. Diogo Campos entrou na vaga do lesionado Serginho, o melhor atleta do Botafogo nos 20 minutos iniciais, e não decepcionou: marcou 2 vezes, incluindo um golaço em chute de longa distância.

Vários números compõem o êxito do Tricolor: 8 desarmes, 16 faltas cometidas, 12 faltas recebidas, cerca de 40 passes errados (inclui lançamentos) e 17 finalizações (entre certas e erradas). Faço um adendo nos dois últimos dados. Vários dos passes errados aconteceram nos 20, 25 minutos finais, quando o embate já estava resolvido e, por isso, o Botafogo relaxou. Além disso, a maioria dos lançamentos foram equivocados, no entanto, eram boa estratégia, já que a zaga lusitana não afastava os lances, oferecendo a bola aos atacantes botafoguenses. Quanto as finalizações, outra bela surpresa. Das 17, 10 tomaram o rumo do gol (59% de aproveitamento) e 5 entraram (praticamente 1 em cada 3 chutes resultou em gol).

Nas próximas duas rodadas são dois jogos em casa para o Fogão, grande chance de embalar no campeonato!

Crédito — foto: Rogério Moroti/Agência Botafogo

UM POUCO DA HISTÓRIA DO JOGO

Não demorou muito ao Botafogo mostrar a que havia vindo. Logo aos 7 minutos, Danilo Bueno fez levantamento na área e Serginho cabeceou com perigo à esquerda do gol de Douglas. Pouco depois em novo cruzamento o mesmo Serginho testou firme, Douglas só desviou e a bola explodiu no travessão.

A Lusa errava muito na saída de bola e deixava muitos espaços na defesa. O gol do Tricolor era questão de tempo. Aos 13 minutos, Samuel Santos roubou a bola e tocou para Daniel Borges descer livre na direita e cruzar rasteiro a Alemão sozinho, dentro da área, marcar.

Aos 22 minutos, Márcio Fernandes perdeu Serginho machucado. Diogo Campos entrou muito bem em seu lugar.

A partida prosseguiu da mesma forma. Ligações diretas defesa-ataque eram a tônica do Fogão. A defesa lusitana rebatia os lançamentos e não cortava. A bola espirrava e ficava com os botafoguenses, que reagiam rápido, abriam a jogada para as laterais e corriam até a área a esperar o cruzamento.

Aos 33 minutos, Rodrigo Thiesen deu lindo lançamento a Alemão. O jogador dominou bem, carregou consistentemente até a área e chutou calmo sem chances ao goleiro Douglas. O resultado parcial de 2 a 0 continuou pelo 1º tempo. Na saída para o intervalo, os jogadores da Lusa foram duramente pressionados por seus torcedores.

Em 10 minutos de 2º tempo, o Botafogo resolveu o jogo. Aos 9 minutos, Samuel Santos arrancou na direita e chutou da entrada da área, o goleiro rebateu e Diogo Campos fez no rebote. Apenas um minuto mais tarde, em contra-ataque, Daniel Borges cruzou da direita, a bola passou por Diogo Campos e o zagueiro e na sobra Samuel Santos completou ao gol.

Começaram os “olés” dos torcedores de Ribeirão Preto. A Portuguesa seguiu inativa e o Botafogo passou a “cozinhar” o duelo. Mas existia tempo para mais 1 gol. Aos 37 minutos, Pituca retomou a jogada e a sobre ficou com Diogo Campos. O atacante caminhou alguns metros além do meio do campo, percebeu o goleiro adiantado e deu um chutaço de longe, fazendo um golaço.

FICHA TÉCNICA — PORTUGUESA 0 X 5 BOTAFOGO

Gols: Alemão, aos 13’/1ºT e aos 33’/1ºT, Diogo Campos, aos 8’/2ºT e aos 37’/2ºT, Samuel Santos, aos 10’/2ºT (Botafogo).

Cartões amarelos: Felipe Alves e Alê (Portuguesa); Caio Ruan (Botafogo).

Público: 1.671 pagantes; renda: R$ 13.635,00

PORTUGUESA — Douglas; Cesinha, Marcelo, Mateus e Rodrigo; Caíque, Diego Gonçalves (Alê), Vinicius (Bruno Mineiro) e Leonardo; Renato Kayzer (Caio Cezar) e Felipe Alves. Técnico: Anderson Beraldo.

BOTAFOGO — Neneca; Daniel Borges, Caio Ruan, Mirita e Diego Pituca; Rodrigo Thiesen, Danilo Bueno e Zotti (Augusto Ramos); Samuel Santos, Alemão (Isac) e Serginho (Diogo Campos). Técnico: Márcio Fernandes.