5 Motivos para não seguir carreira em TI

Você, que consegue configurar o modem para distribuir a internet, utiliza tags HTML para formatar seus comentários em redes sociais e usa o faz fórmulas no Excel combinando as funções SEERRO, PROCV e CORRESP já pensou que tem talento com tecnologia e cogitou a hipótese de seguir carreira na formidável área de de TI (Tecnologia da Informação)? Listamos 5 motivos para você desistir desta ideia estapafúrdia e voltar a sonhar com a carreira de latinete:


5 — Gerente sem Noção

Assim como em muitos outros ramos, na área de Tecnologia o cargo do indivíduo é inversamente proporcional ao seu conhecimento, e os gerentes são a comprovação desta teoria. Prazos surreais, soluções gambiarrísticas e pérolas como “Vocês vão ter o tempo que precisar, desde que seja até amanhã”, “Eu não quero saber se o pato é macho, eu quero é ver o ovo” e “É só um botãozinho, o que pode dar errado?” caracterizam este tipo de profissional.

Por que é assim: O mundo corporativo analisa um profissional conforme sua capacidade de gerar resultados, pouco importa a forma como isso ocorre (alguém se lembrou da Enron agora?). Basicamente o Gerente sem noção é um profissional brilhante na arte da gambiarra que foi condecorado a passar seu conhecimento para os demais. Com base no próximo motivo é possível notar que não há como sair coisa boa disso…

Ô loco meu! Vai programando aí que eu vou ver o que o cliente quer!!!

Por que não muda: Meritocracia, avaliação de desempenho, carreira em Y são formas muito complexas de atribuir cargos! Em um departamento de TI os cargos na área são atribuídos de maneira muito mais simples: de acordo com a saliência na região da cintura, quanto mais gordo, maior será o cargo do infeliz.

O Ronaldo deve ser o presidente da empresa

4 — Gambiarras

Este prática é realizada pelo homem desde a época em que Glória Maria era uma recém- nascida. Tem como seu expoente Angus MacGyver, que recebeu o título de grão-mestre da gambiarra por Deus após apresentar o projeto do Ornitorrinco ao todo Poderoso. No nosso dia-a-dia encontramos diversos exemplos de pequenas gambiarras (muitos a conhecem por aí como jeitinho Brasileiro). Um exemplo é o perfume, que foi inventado como uma gambiarra para substituir o banho.

Por que é assim: Muitas vezes as próprias solicitações do gerente sem noção inevitavelmente demandam uma solução gambiarrística, na qual sempre sobrará para outro infeliz lidar com os problemas decorrentes da gambiarra. Quem nunca teve que resolver um problema com urgência em horários depois do expediente e se deparou com uma gambiarra não sabe qual é o real significado da palavra ódio. Nestas horas sobra até para o primo do cunhado do genro do autor da obra de arte.

“Tá funcionando, nem rela” diria um entusiasta das Gambiarras

Por que não muda: Fato é que a Gambiarra exerce um complexo sentimento de atração e ao mesmo tempo de repulsa, mais ou menos como um churrasco grego do centro de São Paulo. Quem nunca sentiu um discreto sentimento de orgulho ao criar uma solução inexplicável (pois você não faz a mínima ideia do que fez) para um problema não conhece o real significado da palavra pragmatismo.

Vai dizer que você não está com inveja do cara que fez isso…

3 — Estereótipo do profissional de TI

O imaginário popular vê a tecnologia como uma coisa extremamente pequena e simples. O profissional de TI tem a obrigação de saber consertar qualquer coisa que possa remeter (mesmo que muito remotamente) a algo eletrônico. Não devemos nos esquecer que também há a obrigação de ser especialista em Excel, MSN e mais recentemente (faça um curso de atualização se sua faculdade não cobriu isso) facebook, e é claro não poderia faltar em a obrigação de consertar impressoras.

Por que é assim: Ué?!? Não é o que esta na grade curricular de qualquer curso de informática!?! Eles têm a obrigação de saber disso!!!…

Repare que Grade Curricular do curso acima está desatualizada, pois ainda contém o Orkut

Por que não muda: Quem se interessaria em entender de computação quando há ferramentas tão estrogonoficamentes interessantes por aí como twitter, pica-pic, orkut, redtube, datacassete e haboo?

Na realidade os profissionais de TI não passam de meros escravos nerds feios (pleonasmo?!) que tem como objetivo apenas garantir que a sociedade possa usufruir destes maravilhosos conteúdos.

Alias, aqui vai um apelo sério para familiares, amigos e conhecidos: manutenção de equipamentos eletrônicos e similares não faz parte da grade dos cursos de TI!!! MSN Avançado também não!!!

Socorro!!! Meu feice não tá abrindo!!!

2 — Exigências do Mercado de TI

Conforme descrito no tópico anterior, as pessoas não fazem muito questão de entender sobre TI, e no mercado de trabalho de trabalho não é diferente. Não é raro se encontrar de se encontrar vagas com um monte de requisitos e certificações para vagas de auxiliar do assistente instalador de impressoras ganhando o módico salário de R$ 650 (que é uma verdadeira fortuna, afinal de contas para que o cara esquisito de TI vai querer dinheiro se nem vida social ele tem).

Por que é assim: Por nova resolução do MEC, você ao ter graduação em curso superior de TI ou mesmo estar cursando o obriga a ser especialista em todo e qualquer tipo de software/hardware. Fazendo uma analogia com a área de medicina, seria a mesma coisa que exigir que um ginecologista seja obrigado a saber como curar dor de dente.

Alan Turing dando manutenção na impressora que ele mesmo inventou

Por que não muda: Fato é que profissionais de recrutamento e seleção (leia-se psicólogos) entendem tanto de tecnologia quanto o Galvão Bueno entende de qualquer coisa. Honestamente, você acha que uma pessoa que estudou sobre o período de transição da fase anal para fálica da teoria de desenvolvimento psicossexual de Freud se dará ao trabalho de pesquisar a diferença entre C#, C e C++? Na dúvida colocam todos os requisitos possíveis para qualquer cargo e fica por aí mesmo.

Com um projeto desse você garante sua empregabilidade para sempre

1 — Trabalhar em Suporte

Constantemente encontramos notícias da escassez de mão-de-obra na área de TI e da abundância de vagas nessa área. O que não dizem é que isto é uma Cilada Bino: a área de Telecomunicações está dentro de TI, ou seja, você vai todo feliz achando que vai trabalhar no Google como analista, ganhando uma montanha de dinheiro, chegando a hora que quiser usufruindo de inúmeros benefícios (como auxílio para decorar a sua mesa e a possibilidade de jogar Playstation 3 durante o expediente), mas o máximo que consegue é um emprego no suporte em uma Telefônica da vida cuja função é explicar para usuários como se escreve “aquele a com a bolinha em volta”.

Por que é assim: A área de suporte é a comprovação da Teoria de Einsten de que a estupidez humana é infinita. Poderíamos criar inúmeras listas citando pérolas de suporte, como da pessoa que ligou para o suporte alegando que o seu desktop não funcionava, sendo que havia acabado a luz ou de gente que pergunta se a internet abre aos domingos. No final, a moral da história é que não importa o seu conhecimento, será impossível simular um erro igual do cliente, o que nos leva a conclusão de que grande parte do trabalho dos profissionais de TI é mais ou menos como vivenciar o programa “Fala que eu te escuto”, tirando o fato de que não há a opção de mudar de canal…

Ele: Desisto!!! Procura no Google, sua mocoronga!!! | Ela: Gê, u , Gê, ó, certo?

Por que não muda: Atualmente há muita gente usando o computador e as autoridades globais ainda não se atentaram as implicações causadas pela inclusão digital desenfreada: crises existenciais facebookeanas com frases de Clarice Lispector e Caio Fernando Abreu, fotos tiradas no espelho fazendo biquinho (geralmente com alguma genitália vazando na foto), campanhas no estilo “curte ou compartilha” e pessoas que desconhecem o significado das palavras “humor” e “ironia” apresentam um risco tão grande para a sociedade quanto a combinação álcool-volante, pois são praticamente uma fábrica de pérolas do atendimento. Ajudaria muito a área de suporte se o fosse instaurada uma espécie habilitação para o uso do computador, sendo que para usar o facebook somente com categoria D.

Inclusão Digital: a gente vê por aqui

Este texto foi originalmente publicado no site puxacachorra.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.