6 coisas que na verdade são gambiarras

Se existe algo que faz os hstoriadores do mundo todo deixarem sua postura de lulinha paz-e-amor e lançaram-se furiosos uns contra os outros tais quais bárbaros digladiando por um pedaço de Javali (ou membros de torcidas organizadas brigando por… qualquer coisa) é a discussão sobre qual foi a invenção mais importante da humanidade.

Alguns hão de dizer que foi a roda, já outros o uso da eletricidade, e outros ainda afirmarão que é a Internet, argumentado sobre o impacto da regra 34 na sociedade. Mas para nós não existe dúvidas que esta invenção foi a gambiarra. Afinal, o princípio Nikístico do “Just do It” somados a preguiça e a burrice tende a gerar resultados um tanto quanto significativos e levando o termo pragmatismo a níveis inimagináveis ao ser humano.

Desta forma, nos aprofundamos nos estudos dos mais variados padrões de design de gambiarras e identificamos 5 coisas que talvez você não saiba, mas que são gambiarras.


7 — Molho Madeira

O problema: Produzir um molho sem tem que gastar dinheiro com molho

A Gambiarra Salvadora: Provavelmente este tipo de molho foi inventado por algum engenheiro que resolveu usar conceito de retroalimentação em uma cozinha. Já vou avisando aos hipsters de plantão que, ao contrário do que você pode imaginar, retroalimentação não consiste em digerir comidas antigas.

Caso você vá a um restaurante e tentar pedir para o pessoal te passar a receita do molho madeira de lá dificilmente conseguirá, isso se dá pelo fato que este tipo de molho é feito com base em todas as sobras do restaurante, mais ou menos como as sobras da Globo que a Record utiliza para produzir suas novelas.

“Dispenso o molho e fico só com a madeira” (tum dum tsss!)

6 — CROCS

O problema: A necessidade de um controle de natalidade eficiente o suficiente para combater o funk e o axé.

A Gambiarra Salvadora: Quando notaram que a teoria malthusiana demonstrava ser ineficiente nos dias atuais, foi necessário criar um método contraceptivo mais potente, que pudesse cortar o mal pela raiz.

Apesar de parecer apenas um simpático e confortável calçado com layout inovador contendo furos para evacuação do chulé, as sandálias CROCS escondem algo maligno. Desenvolvido por seguidores fervorosos do gambiarrismo, uma doutrina religiosa que mistura fundamentalismo cristão jeca e a adoração por armengues. Inspirados nas palavras de O’Brian (personagem do livro 1984), estes seguidores usaram sobras de garrafas de guaraná Dolly e desenvolveram o calçado com o malévolo intuito de extirpar o estímulo sexual do ser humano.

A polêmica envolvendo seu uso foi tão grande que muitos juristas defendem a tese de que é o seu uso em público inconstitucional. O argumento usado é de que um indivíduo não pode gerar provas contra si mesmo.

Imagina o drama que é ter um filho viciado em Crocs

5 — Lost

O problema: As séries de TV eram muito monótonas. Era Preciso criar algo que marque uma nova era, que seja um marco na indústria do entretenimento.

A Gambiarra Salvadora: Baseado na demanda estabelecida pelos executivos da NBC os redatores utilizaram todos os seus recursos que tinham direito: Esfacelamento narrativo, flashbacks, flashfowards, elenco multiétnico, viagens no tempo, fumaça assassina, easter eggs e interação com internet. Colocaram tudo isso em um caldeirão, mexeram e aí saiu a série Lost.

O que leva esta série a estar nesta lista é o fato da história dela ter sido criada seguindo um dos princípios mais importantes da gambiarra: a de que o problema de hoje deve ser solucionado com o problema de amanhã. No contexto da série uma gambiarra da trama é explicada com outra gambiarra. O mais bizarro é que até dentro da história há indícios que os personagens são adeptos práticas de gambiarra. Eu até consigo imaginar o gerente de projetos sem noção da iniciativa Dharma falando com a sua equipe “Gente, o prazo tá acabando! Vamos entregar esta bagaça do jeito que está mesmo! Qualquer coisa é só digitar 4 8 15 16 23 42 a cada 108 minutos que o programa vai continuar rodando!”

E no final da série, quando a história havia se tornado um emaranhado de gambiarras, com tanta coisa maluca que seria praticamente impossível fechar a história com algum final sensato, aí encerraram a séria usando a técnica narrativa do Super Mario 2, o famoso “vá se foder” de contar histórias em que se nota que tudo aquilo foi uma ilusão/sonho.

O grande mistério de Lost: Por que eles sempre nadam de calça jeans?

4 — Ornitorrinco

O problema: Durante o processo de criação, Deus estava sendo pressionado pela Dercy para atingir logo a meta de criação de animais. Além disso o todo poderoso já estava de saco cheio e pensando em tirar um dia de folga.

Gambiarra Salvadora: Para quem não sabe, o Ornitorrinco é um animal raríssimo e pode ser encontrado apenas na costa do acre. Quanto as suas características, o bicho tem olhos de topeira, pelos e bico de pato, rabo de castor, tem garras, é venenoso e ainda por cima bota ovos!!

Quanto ao projeto de desenvolvimento, provavelmente Deus tinha uma quota de projetos de animais e o prazo estava se esgotando e ele acabou delegando a Angus Macgyver resolver este problema. Nosso herói usou chegou, olhou as coisas e viu que havia sobrado algum material da construção dos outros animais e para evitar o desperdício, ele criou o ornitorrinco

Em outras palavras, podemos dizer que o Ornitorrinco é a Tecpix do mundo animal

3 — Windows Vista

O problema: Fazer um sistema ruim para lançar um bom depois, pois como sabemos a Microsoft segue a teoria do Produto bom, produto ruim. Se avaliar mos históricos podemos ver:

Windows 98 = BOM

Windows Me = tão bom quanto ouvir a Suzana Vieira cantando junto com a Ana Maria Braga vestida de Madonna dançando

Windows XP = BOM

Windows Vista = tão bom quanto imaginar os filhos que nasceriam do cruzamento entre Geisy Arruda e Tiririca

A Gambiarra Salvadora: Quando resolveram que o XP já tinha dado o que dado o que tinha que dar o pessoal da Microsoft resolveu que precisavam lançar um sistema operacional ruim antes de lançar um bom. Inspirados no filme “A Roda da Fortuna”, resolveram chamar o primeiro idiota que encontraram pela frente, que muito provavelmente foram os mesmos desenvolvedores do jogo do Dollynho. Diferentemente do filme, o resultado não gerou grande sucesso e resultou nessa joça chamada Windows Vista.

E para aparecer esta opção você tinha que pressionar CTRL+ALT+DEL+PAUSE BREAK+Y

2 — Biotônico Fontoura

O problema: Enquanto há pessoas como Sergio Loroza e Péricles por aí comendo muito mais do que deveriam, há muitos outros que optam por não comer nada.

A Gambiarra Salvadora: Todos sabemos que a melhor maneira de despertar a fome em alguém é através da larica pós-marijuana. Como o uso desta substância não é legalizado no Brasil, cientistas do instituto Angus Macgyver inventaram o biotônico Fontoura.

Quem não sabe para qual é a finalidade deste produto, segue a descrição apresentada pela Sandy no comercial “Mãe é quero bi… Biotônico Fontoura. Biotônico dá uma fome de leão… grauuurrrr”. ” (no final imagine o barulho do rugido de um leão).

Preste atenção na camisa do Júnior: esse cara tem o dom de acumular derrotas…

Até aí não há nada de muito errado (exceto o comercial em si), a questão da gambiarra está no processo de desenvolvimento do Biotônico: para estimular a fome criaram um remédio tão ruim, mas tão ruim, que o indivíduo sem fome comia qualquer coisa para tirar o sabor desta porcaria da boca. Se bobear o principal ingrediente dessa bagaça são os “inseptos” que o Chaves matava com gasolina.


1 — Desodorante 24h

O problema: Ter um cheiro agradável sem precisar passar pelo esforço de tomar banho

A Gambiarra Salvadora: O famigerado perfume de pobre foi inventado por Mao Tse Tung durante sua infância quando, inspirado pelo personagem Cascão, resolveu nunca mais tomar banho na sua vida. O que o pequeno Mao não esperava é que fosse ser bulinado (vítima de bullying) por seus coleguinhas chineses e trancou-se no seu quarto e prometeu só sair de lá quando encontrasse uma forma de armengar o ato de tomar banho.

Desta forma surgiu o desodorante 24h, que foi inventado com duas finalidades: fazer trocadilhos envolvendo equipes de futebol com dificuldades em vencer partidas e também como uma gambiarra para substituir o banho. Afinal, por que você acha que a duração é 24 horas? Inclusive se o slogan do desodorante em questão afirmar que não te abandona, tome cuidado, pois talvez ele seja a única coisa que não irá te abandonar depois das 24h.

Em tempo uma curiosidade do autor, alguém ai já testou se dura mesmo 24 horas?

Se eu fosse lançar um desodorante o garoto propaganda seria o Cascão. Como ele tinha tantos amigos sem nunca tomar banho? Usando DESODORANTE 24H!!!

Meu sincero agradecimento ao meu grande amigo Rafael Delanhese, que fez com que esse artigo passasse de um vinho intragável para um vinagre razoavelmente utilizável.