Melancolia

Pensando agora, acredito que sempre fui um pouco melancólico.

Por mais que em alguns momentos eu demonstrasse tremenda alegria, uma terrível dor de existência sempre pairava sobre mim ao anoitecer.

Não sei colocar um ponto exato onde isso começou, por isso acho que sempre fui assim. Recordo-me de estar na casa dos meus avós durante as férias e me sentir em um grau de solidão, em relação a tudo. Deveria ter cerca de dez anos,ou talvez menos.

Acho que sempre esperei demais das pessoas.

Também me lembro de quando dei meu primeiro beijo. Ela tinha minha idade e foi na festa de aniversário de um amigo. Ficamos conversando durante muito tempo, mas ela claramente estava mais interessada em meu amigo. Depois de um tempo pensando, resolvi tomar coragem e perguntei se ela gostaria de ficar comigo. Sim, esse nível de juvenilidade. Quando sua resposta foi positiva, por alguns instantes idealizei toda minha vida com ela. Claro, tudo que estava no alcance imaginário de uma criança de doze anos. Imaginei os almoços de família, passar domingos com ela, os pais dela indo-a buscar em minha casa, enfim, tudo que era condizente para minha idade. Os beijamos no fim da rua da casa desse amigo, que era uma vila na época. Não era um lugar bonito. Recentemente passei por lá e continua não sendo um lugar bonito, apesar de que na época, isso não passou pela minha cabeça.

Liguei para ela no dia seguinte. Perguntei se ela queria fazer alguma coisa no domingo. Pensando agora, não sei por que perguntei isso. Obviamente os pais de nenhum dos dois deixariam duas crianças andarem sozinhos, não importa o que estivéssemos pensando. Ela respondeu que não tinha interesse em mim, e que na verdade, tinha um namorado na escola onde estudava. Meu futuro idealizado foi por água abaixo.

Sentei no meu quarto chorando. Ninguém em casa entendeu bem o que estava acontecendo.

Claro, o que acontece comigo não pode nem ser considerado um problema. Talvez essa seja minha principal questão. Não tenho problemas o suficiente, o que abre espaço para tanta melancolia.

Acho mentiram para mim: não melhora com o passar do tempo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.