“o artista de ferro”

Parecia um ser humano comum, talvez poucas pessoas ou nenhuma das que viveram poucos momentos ao seu lado teriam notado. Mas ele tinha um dom sobrenatural de desenhar a vida, falava sobre um futuro não muito distante daqui.

O dia das crianças já havia passado fazia um mês, mas ele estava determinado a dar aquele presente para o seu filho e assim o faria, ninguém poderia atravessar o seu caminho, nem que ele fosse sofrer as consequências de um atentado ou um acidente que o deixasse tetraplégico, mas assim como já havia desenhado vários futuros, ele iria desenhar o futuro promissor de seu filho, o seu único menino.


Quando eu abri aquela caixa, para minha surpresa, parecia algo de outro planeta, diferente de um brinquedo comum para um menino de cinco anos, filho de uma costureira e um pedreiro, aquele era um presente de superar as expectativas. Era um ferrorama, nele haviam quatro vagões:

•Uma locomotiva

•um transporte de combustível

•um vagão de passageiros

•um vagão de pedra.

Além disso haviam vários trilhos e peças, aquele era um brinquedo da marca Estrela que era sucesso na época.

Como toda criança, eu brinquei, montei, desmontei, e até quebrei algumas peças, outras perdi em meio a outros brinquedos.

O papai partiu dessa para melhor, eu tinha apenas sete anos.

Esse simples brinquedo, passou de mim para o meu sobrinho, e depois para o meu filho, e quando chegou em minhas mãos alguns trilhos quebrados e um vagãozinho de pedra foi que comecei a refletir.


Passaram alguns anos, para mim começar a perceber como tudo fazia sentido, como o artista de ferro, desenhou parte de um futuro com apenas um brinquedo de ferrovia.

Hoje minha família são quatro pessoas, assim como os integrantes daquela locomotiva, minha esposa tem um nome lindo, chama-se Ester que significa ‘Estrela’ a marca, e mais além que esses pequenos episódios simbólicos a minha profissão hoje é maquinista de trem.

Mas a mensagem que, acredito eu ser tão importante, vindo acompanhada desse presente também era a seguinte:

“Na vida algumas vezes vamos viver felizes como se estivéssemos brincando, em algum momento vamos ter que montar e até mesmo desmontar as peças que a vida prega na gente.

Alguns trilhos podem mudar de rumo, mas o farol da sabedoria sempre vai iluminar o seu caminho, Alguns de seus sonhos vão se quebrar outros vão se perder, nem tudo vai dar certo na vida, o importante é nunca desistir.”

Autor: Osvaldo Vieira.