Caro gay branco padrão.
Caco Baptista A.
21130

Acho que, por algum motivo, eu sempre fico na esperança de sempre ouvir uma resposta "superior" do oprimido ao opressor.

O opressor talvez não tenha passado por isso, então não sabe como é. O oprimido já, e na minha visão quer lutar não só pra que ele não passe mais por aquilo, mas pra que outras pessoas também não passem. Tem coisas que a gente não deseja pra ninguém, né.

[Eu sei que não desejo que alguém passe três anos da vida imaginando as pessoas mais importantes da minha vida tendo as piores reações possíveis quando descobrissem da minha sexualidade. E eu sei o quão sortudo eu fui por serem três anos. E por ter ficado só na minha imaginação.]

É um sentimento estranho, quando não é. Quando o oprimido quer sangue.

Olha, eu entendo, um texto com um pouco de ressentimento não é nada perto do que te fizeram passar, ou como fizeram tu te sentires. É importante mostrar um pouco de realidade na cara dessa galera.

Então eu juro, eu não culpo, ninguém tem que ser melhor que ninguém. Ninguém tem que dar resposta superior à de ninguém, e quem sou eu pra julgar essas coisas, né? Mas é meio que uma esperança que se esvai.

[Talvez seja uma resposta com um pouco de ressentimento, peço desculpas se pareceu essa a intenção. A ideia geral era sugerir: não se torne aquilo que te feriu.]

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.