Branding para startups

O termo startup parece estar na moda hoje em dia. Startup significa começar algo e está normalmente relacionado a empresas que estão no início de suas atividades e que destacam-se pela inovação.

O termo começou a ser popularizado nos anos 1990, quando houve a primeira grande bolha da Internet. Muitos empreendedores com ideias inovadoras e promissoras, essencialmente associadas à tecnologia, encontraram financiamento para os seus projetos que, em sua maioria, se mostraram extremamente lucrativos e sustentáveis.

Foi assim que surgiram empresas como Google, Apple, Facebook, Yahoo!, Microsoft, entre outras. Hoje em dia, todas fortemente solidificadas e líderes nos seus segmentos de mercado.

Porém, você como empreendedor deve saber que a fase inicial da sua startup é sempre marcada por um cenário de incertezas. E uma das formas de solidificar sua empresa é tendo em mente o que a sua marca representa para o seu consumidor potencial.

E, nada melhor para definir sua marca que começar a pensar em branding desde o início do seu negócio, mesmo quando você está construindo um MVP (Minimum Viable Product). Construí um guia inicial para que você comece a refletir a forma como fala com seu público e a maneira como as pessoas o percebem como empresa e como empreendedor.

Então vamos começar?

Se você teve uma ideia e vem trabalhando nela há algum tempo mas ainda não começou a pensar sobre branding, esse texto é pra você.

A ideia

Peça-chave no processo de branding, a ideia é o que o faz diferente, o que você oferece, porque você está fazendo o que faz e como você vai mostrar isso para seus potenciais clientes. É a cola que une todos os elementos da sua marca e o que informa tudo o que sua startup faz.

Pergunte-se: o que minha empresa faz pelos seus clientes?

A visão

Onde você quer que sua empresa esteja no futuro e de que forma ela irá desafiar o mercado atual? Quais são seus objetivos? Escreva tudo que você quer conquistar enquanto empresa e eventualmente você conseguirá chegar a uma visão simples e coesa, de no máximo duas frases.

Pergunte-se: onde minha empresa estará daqui a 5 anos?

A personalidade

Como você quer se comunicar — o tom, a linguagem e o design, por exemplo — é o que deve ser pensado na personalidade da sua empresa. Escolha 5 palavras que descrevam a sua personalidade (muitas vezes a personalidade da empresa e do empreendedor se confundem).

Pergunte-se: se minha empresa fosse uma pessoa, quem ela seria?

Os valores do seu público

O que seus usuários valorizam mais no serviço que você vai prestar? É importante assegurar que sua marca esteja sempre focada no consumidor. Descreva o que há de mais útil no serviço que você entrega e como isso pode impactar positivamente o seu público.

Pergunte-se: por que meu público precisa do meu serviço?

Os seus valores

Esse é um conjunto de conceitos (traduzidos em palavras) em que sua startup acredita. De que forma sua empresa quer viver? Futuros colaboradores devem poder olhar para esses conceitos e saber como você trabalha, como você age e como se comunica.

Pergunte-se: no que minha empresa acredita?

A sua história

Por que você começou este projeto? De onde veio a ideia e por quê? E por que você é a pessoa certa para concretizar essa ideia?

Pergunte-se: como minha ideia surgiu?

A voz da marca

Essa é a forma como você deve falar com seu público, não importa o meio que você use: e-mail, site, telefone, mídias sociais. Pense em 5 palavras que resumem a sua comunicação (útil, amigável, descontraída são alguns exemplos).

Pergunte-se: como minha startup fala com seus clientes?

A proposta de valor

Também conhecida como slogan. É a forma mais curta e direta de descrever sua startup.

Pergunte-se: qual seria o “subtítulo” da minha startup?

A essência da marca

A essência da marca é a principal característica intangível (subjetiva) que a diferencia das marcas dos concorrentes, da forma como é percebida pelos clientes. Pode ser difícil definir a essência da marca, mas você deve pensar em uma única palavra que resume como seus clientes se sentem ao usar um serviço ou produto da sua empresa.

Pergunte-se: no que eu quero que meus clientes pensem ao consumir meu produto ou serviço?

E agora?

Com as respostas no papel, você deve ter um panorama geral da sua startup. A partir daí, você pode começar a montar esse quebra-cabeças e pensar num design (ou passar isso para um profissional) que resuma visualmente sua marca.

Alguns dos conceitos passados aqui já foram explicados em textos anteriores. Dê uma olhada nos outros textos do blog e coloque suas dúvidas abaixo: farei o possível para ajudar!

Texto publicado originalmente no blog da METAPHOR.

Antes de você ir embora…

Muito obrigado por ter lido meu texto! Bata palmas abaixo se você gostou pois assim mais pessoas vão poder lê-lo também. E deixe seu comentário abaixo, vou adorar e responder o mais rápido possível!


Meu nome é Otávio Al’ban e sou o Diretor Criativo da METAPHOR, uma agência de branding e marketing digital. Escrevo sobre desenvolvimento pessoal às segundas-feiras e sobre branding e empreendedorismo às quartas.