O objetivo da vida não é a felicidade

Por muito tempo acreditei que havia apenas um propósito na vida: ser feliz. Pra que passar por dificuldades, dor, esforçar-se? Nós queremos mesmo é ser felizes, não é?

Se você olhar à sua volta, vai perceber que todos estão em busca da tal “felicidade” o tempo todo. Por isso, compramos coisas de que não precisamos, ficamos ao lado de quem não amamos, trabalhamos duro para conseguir a aprovação de pessoas de quem não gostamos.

Mas você já parou pra pensar no que lhe faz realmente feliz?

Como você atinge a felicidade?

Você compra algo caro. Você se reconecta com velhos amigos. Você ganha uma promoção e ganha mais dinheiro (e mais trabalho). Você sai de férias e vai para a Europa.

Mas, no fim do dia, deitado na sua cama, você se pega pensando: “E agora, qual o próximo passo para ser feliz?” Porque nosso conceito de felicidade ainda está ligado a algo efêmero: sair de férias, ir para o trabalho, beber, comer, comprar…

Não me leve a mal, todas essas coisas são muito legais. Mas não são úteis: você não está criando nada, está apenas consumindo ou fazendo algo.

O que realmente nos faz feliz é quando somos úteis. Quando criamos algo que outros podem usar, usufruir.

“O objetivo da vida não é ser feliz. É ser útil, ser honrado, ser compassivo.” — Ralph Waldo Emerson, filósofo estadunidense

Pergunte-se: “O que eu faço faz diferença?”

É realmente simples assim. Somos felizes quando fazemos diferença.

Você faz coisas úteis em sua vida? Você não precisa mudar o mundo. Apenas tente torná-lo um lugar um pouco melhor.

Não precisa ser nada grande. Mas quando você faz pequenas coisas úteis todos os dias, sua vida começa a fazer sentido. Sua vida importa.

Mude sua mentalidade

Ser útil é uma forma de viver. E como com qualquer “estilo” de vida, começa com uma decisão. Um dia acordei e pensei comigo mesmo: o que estou fazendo para este mundo? A resposta foi: nada.

Nesse dia, comecei um trabalho de alfabetização de adultos na minha cidade. Atualmente, escrevo aqui e em outros canais. Você pode decidir pintar, criar um produto, ajudar idosos ou qualquer coisa que você queira fazer.

Só não pense demais antes de começar: apenas faça algo que seja útil. Qualquer coisa. Você será muito feliz, eu garanto! ;)


Gostou? Bata palmas! 50, de preferência ;)

Assim, mais pessoas também vão poder ler esse texto! Muito obrigado!

Meu nome é Otávio Al’ban e sou o Diretor Criativo da METAPHOR, uma agência de branding e marketing digital. Escrevo sobre desenvolvimento pessoal aos domingos e sobre branding e empreendedorismo às quintas.