Amor que sangra

Você sabe o quanto eu os amo? Por eles eu sangraria toda a minha vida

Como podem se amar tanto? Como podem ser tão unidos? Cristãos genuínos se amam como Cristo. Esse mistério está na transformação genuína que Cristo executa em cada um deles. Ao assim fazer, essa obra de transformação se expandiu e expandindo vai, tentando amar sem olhar a quem, plantando sementes de casas e moradas onde o Espírito de Cristo tem tido espaço para redecorar e autenticar a realidade Dele na nossa realidade.

Existem coisas que eu já não quero e não posso mais negligenciar. Eu acho impressionante as formas e métodos que Deus escolhe para nos ensinar determinadas lições e plantar em nosso coração uma visão mais abrangente e ampla do Reino que Ele deseja estabelecer dentro de nós.

Não existe Reino sem amor, e se eu digo que tenho o Reino dentro de mim mas não amo meu irmão, sou um mentiroso. Responder amor com amor é caminho lógico. Nosso grande desafio é responder com amor toda hostilidade e ódio, até que se tornem amor.

O amor de 1 Coríntios 13. Paciente, bondoso, que não se irrita, que não se orgulha de modo soberbo. Amor que sofre, amor que espera, amor que acredita. Amor que perdoa falhas da falta de amor. Amor que se mostra, revelado, nítido, vivo, caloroso, agitado, real, abraçável. Amor que se estende muito além das quatro paredes da sala de culto e percorre as casas, pontes e caminhos de canto a canto da vizinhança.

Eu poderia ouvir Cristo a nos dizer: Você sabe o quanto eu os amo? Por eles eu sangraria toda a minha vida até que não houvesse mais sangue nem vida em mim.