Top 6: Álbuns de Adoração

Os álbuns de adoração que moldaram minha personalidade e estilo de vida como adorador ao longo da infância

Eu me vejo como um adorador. Eu não estou nem um pouco preocupado ou hesitante em dizer isso em voz alta. Eu nasci e fui criado em um ambiente de adoração, e meus pais sempre me incentivaram a adorar. Então, como parte da minha educação, eu fui apresentado a milhares de canções e álbuns de adoração, e eu poderia dizer que estes próximos foram os mais importantes para a minha formação. Você verá algumas coisas sobre as quais talvez nunca tenha pensado. Eu colocarei então em ordem anual.

Igreja Viva — Asaph Borba (1997)

O primeiro álbum de adoração de que me lembro é Igreja Viva. Asaph Borba em sua igreja em Porto Alegre. Algumas das canções mais poderosas que já ouvi fazem parte desse disco simples mas cheio de vida, exultação e contemplação. Após conhecer Igreja Viva, fui introduzido a todo o trabalho de Asaph e cia — o que ainda incluía Ademar de Campos, Bené Gomes e outros líderes de louvor brasileiros que revolucionaram a música de igreja nas últimas décadas do século XX.

Shout to the Lord 2000 — Hillsong Worship (1998)

Este é um dos mais importantes projetos de adoração da história da Igreja moderna. Shout to the Lord 2000 é uma gigantesca compilação com as melhores canções de adoração da então Hills Christian Life Center, celebrando a chegada do milênio, instaurando novos ritmos e melodias para a adoração congregacional do novo século. Shout to the Lord ainda representava o início da repercussão global da Hillsong Worship, trazendo a todo lugar do planeta, adoração genuinamente nova, direto de Sydney, Austrália. Devo ainda mencionar o fato do projeto ter ainda um alcance global através de gravações do álbum em dezenas de idiomas — no Brasil gravado pelo Diante do Trono.

Preciso de Ti — Diante do Trono (2001)

O quarto álbum da big-band (banda e orquestra) mineira foi um marco pessoal e nacional. Gravado num estádio de futebol lotado, o álbum tem um caráter profético, inaugurando um período de mega alcance da música cristã no país. Além disso, com esse álbum fui precocemente apresentado a questões de dependência divina e necessidade de um relacionamento pessoal com Cristo. O álbum ainda me apresentou projetos missionários na Índia que despertaram meu interesse em diferentes culturas e sociedades. DT apresenta assim seu caráter de adoração militante que se estende pelos projetos que se seguem.

Worship — Michael W. Smith (2001)

Devo ter nascido ao som de MWS. O projeto Worship (2001) e Worship Again (2002) marcam um glorioso retorno do cantor gospel pop à adoração congregacional. Cantando alguns dos mais consagrados hinos modernos, MWS marca a vida e conhecimento de um garoto de 10 anos, com sua liderança carismática e envolvente, levando a igreja a cantar como nunca.

UP: Unified Praise — Hillsong+Delirious? (2003)

Um dos mais inusitados encontros entre o gigantesco time da igreja Hillsong e a poderosa banda britânica Delirious?, me apresenta a uma adoração congregacional jovem e poética de uma forma que eu nunca tinha visto. Através deste álbum comecei ainda a entender e conhecer as múltiplas vertentes da adoração contemporânea global. A sequência “More than life”, “Worthy is the lamb” é “I could sing of your love forever​” é para mim uma das mais vibrantes e poderosas sequências já gravadas.

God He Reigns — Hillsong Worship (2005)

O surgimento de um novo modelo de adoração contemporânea. O encontro entre o tradicional e o moderno. A eterna e poderosa mensagem do Deus que se fez Emanuel. Com sequências vibrantes e momentos poderosos, God He Reigns me apresentou à mais moderna possibilidade de adoração a um Deus inigualável. Com imagens e cenários inovadores, o time faz um retrato da realidade divina em um relacionamento exultante com toda a criação.


Tudo o que aconteceu depois, complementou minha formação, me levando a experimentar adoração já sabendo quem eu era e já confortável com meu próprio estilo de adoração a Deus. A partir de 2005, já consigo acompanhar os caminhos da adoração de um olhar crítico, sistêmico, teológico e experimental. Posso dizer que estes foram como pilares de todo esse aprendizado.