Boletim Pad — dezembro 2017

Roda de Diálogo Pad

Foto: Kátia Visentainer

Nos dias 25, 26 e 27 de outubro aconteceu em São Paulo a Roda de Diálogo do PAD, com parceiros de todo país e agências de cooperação. Esse evento acontece de dois em dois anos e é onde é avaliado o trabalho realizado no período anterior e planejado o trabalho para o próximo período.

Na Roda foi apresentado um vídeo com as principais ações:

A importância do diálogo com a cooperação internacional neste cenário de retrocessos é importantíssimo. E seguimos articuladamente provendo ações conjuntas de incidência nacional e internacional, avançarmos com o debate sobre sustentabilidade das organizações em diálogo com a cooperação internacional.

Foto: Kátia Visentainer

Também realizamos um evento público, que aconteceu na Matilha Cultural:

Roda de Diálogo: Direitos Humanos, Desigualdades, Retrocessos e Cooperação Internacional no Contexto da América Latina e Brasil

Foto: Kátia Visentainer

Frente aos retrocessos do Governo Temer e à conjuntura política que o Brasil enfrenta, o Pad organizou em São Paulo uma Roda de Diálogo com parceiros na Matilha Cultural.

Convidados:

Marilene de Paula — Coordenadora de Programas e Projetos de Direitos Humanos da Fundação Heinrich Böll no Brasil
Mara Manzoni Luz — Diretora da Christian Aid para a América Latina e Caribe.
Gilberto Cervins — Da Coordenação Nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB)
Moderadora  Letícia Tura — Diretora Executiva Nacional — ONG FASE

ENCONTRO NACIONAL DO MAB

Nos primeiros dias de outubro o Movimento dos Atingidos por Barragens realizaram o maior encontro da sua história

Mais de três mil e quinhentos atingidos e atingidas por barragens de todo o Brasil afirmam necessidade da luta pela soberania nacional, pelo projeto energético popular e pelos direitos dos atingidos.

Mais de 3.500 atingidos e atingidas organizados no Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), centenas de trabalhadores e trabalhadoras e militantes de organizações de 19 países celebraram a vida, a solidariedade na luta dos povos e refletiram sobre os desafios do próximo período.

Atingidos e atingidas são vítimas de um modelo energético injusto, em que a energia é uma mercadoria de grande disputa mundial. Esse modelo, que coloca a lógica do lucro acima da vida, viola direitos e explora todo o povo.

O Encontro Nacional do MAB afirma a importância da construção de um Projeto Energético com soberania, distribuição da riqueza e controle popular.

Os cinco dias de discussão e reflexão apontaram como principal desafio a construção da unidade da classe trabalhadora para derrotar o golpe e lutar pela soberania nacional. A necessidade de retomada da democracia é urgente, pois somente com a participação plena do povo brasileiro é possível decidir o futuro do país.

Acompanhe a cobertura do Encontro no vídeo produzido pela comunicação do MAB:

ENCONTRO DE PARCEIROS DE PÃO PARA O MUNDO

Foto: Fátima Nascimento
Realizado no RJ, entre os dias 30/10 e 01/11 de 2017, o encontro de PPM propiciou debates sobre o contexto brasileiro e o papel de PPM considerando-se o potencial e os desafios apontados por organizações parceiros, visando contribuir com a elaboração de estratégia de PPM para o período de 2018/2022.

Um dos principais desafios foi apontado como a urgência da promoção da comunicação e o diálogo com a sociedade, considerando a disputa de narrativa que se impõem no cotidiano das lutas sociais , assim como a importância do apoio á sustentabilidade das organizações, tendo em vista o cenário de desmonte das política públicas, inclusive as de acesso a fundos públicos.

Foto: Fátima Nascimento

Na ocasião foram apresentadas as diretrizes globais e PPM e para América Latina.

ENCONTRO PARCEIROS DE HEKS SOBRE INCIDÊNCIA

Foto: Júlia Esther Castro

O Programa País e Heks Eper/Brasíl reuniu seus parceiros nos dias 23 e 24 de outubro/18, em Brasília, com o objetivo de: Propiciar a identificação de concepções convergentes de processos de incidência/advocacy desenvolvidos pelas organizações parceiras da HEKS/EPER e a construção coletiva de linhas estratégicas de ação de incidência/advocacy para o Programa País.

Foto: Júlia Esther Castro

Organizações parceiras Heks, a partir de suas práticas e reflexões, apontaram para o PP que é preciso investir em iniciativas coletivas para promover o intercambio entre as diferentes estratégias com as quais atuam — desde ação continua de incidência. O que chamou-se de incidência institucional ações de incidência planejadas para incidir sobre determinada pauta/causa.

Uma recomendação é de o PP considere a diversidade e a riqueza das diferentes práticas e concepções, desta forma sugeriu-se a realização de uma oficina em que possa planejar ações conjuntas com vistas a apontar para Heks Suíça, uma ação de incidência no âmbito mundial.

CONIC CRIA CRIA FUNDO DE SOLIDARIEDADE

Diante dos inúmeros casos de violência cometidos contra adeptos de religiões de matriz africana, bem como contra seus locais de culto, o CONIC — Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil criou o Fundo de Solidariedade para o Enfrentamento das Violências Religiosas. O objetivo é auxiliar na reconstrução de templos que foram destruídos Brasil afora. Para contribuir, basta fazer um depósito, de qualquer valor, na conta que consta abaixo.

MISSÃO ECUMÊNICA PAU D´ARCO

Foto: Luana Almeida

A Missão Ecumênica Pau d´Arco realizou, entre os dias 08 e 10 de novembro, incursões ao Sudeste paraense, em solidariedade aos massacres e desapropriações de terra que vêm ganhando força na região devido aos conflitos fundiários. A ação contou com realização do Fórum Ecumênico Brasil (FeBrasil), Processo de Articulação e Diálogo Internacional (PAD), organização do Centro de Estudos Bíblicos (CEBI), Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC), Comissão Pastoral da Terra (CPT), Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores de Direitos Humanos, Diocese de Marabá, Conceição do Araguaia e Xinguara, e apoio da Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE) e das agências internacionais Misereor, Brot für die Welt, Christian Aid, Heks Eper e Fundação Ford.

Matéria completa pela Cese:

MESA REDONDA BRASIL — KOBRA

Tema: Nenhum Direito a Menos! Direitos Humanos: um campo de batalha.

O Pad participou na mesa redonda em Hofgeismar — Alemanha de 10 a 12 de novembro. Também foram convidadas: CNM/CUT, SOS Corpo, Pastoral Carcerária,

O convite desta edição da Mesa Redonda Brasil chamou atenção para a violação dos direitos humanos no Brasil, considerando as decisões do governo brasileiro que implicam em retirada de direitos e conseqüentemente aumenta a criminalização das lutas sociais no Brasil,bem como o papel do movimentos sociais e que perspectivas tem com relação a cooperação internacional.

O PAD participou junto com o SOS Corpo, a CNM/CUT e Pastoral Carcerária do debate: Lições em tempos de crise e perspectivas para 2018, cuja centralidade foi apontar aprendizados e que medidas percebe-se possíveis mudanças na cultura política organizativa das organizações sociais, por exemplo como estabelecer o diálogo com os setores sociais que defendem o golpe e posturas machistas, fundamentalistas, xenofobia, racistas e etc, há diálogos? Que pontes podem ser construídas?

A representação do PAD apontou algumas questões como:

A fragilidade institucional e o comprometimento da democracia e dos DH no cenário pós-golpe. Havia sinais de que o golpe ocorreria? Não podemos afirmar com certeza, porém as jornadas de junho demonstraram muitos descontentamentos com a cultura política. Lições apreendidas?
1. Reconhecer que o rompimento democrático é parte de um ciclo histórico da luta de classes — elites brasileiras x ascensão da democracia e a garantia de direitos.
2. Que o estado é permanente disputa e que a sociedade civil é parte desta ainda que esteja sob o governo constituído pelo voto popular e democrático.
3. Que a sociedade civil e sua forma de política organizativa esta em constante mudança com o surgimento de novos atores sociais que podem agir coletivamente ou individualmente.
4. As mídias sociais e sua capacidade mobilizadora e formadora de opinião.
5. A capacidade das organizações de revisitarem suas estratégias de atuação.

- Perspectivas?

Um cenário sócio político mais adverso — conservador, fundamentalista, violador de direitos e com estado democrático de direito minimalista -.
o Sociedade civil brasileira com posicionamentos políticos em disputa de maneira cristalizada.
o Organizações do campo democrático popular revendo suas estratégias e
há um deslocamento estratégico:
Radicalidade de posicionamento na defesa dos direitos humanos e da democracia;
Investir no trabalho em rede, promover ações coletivamente;
O lugar da incidência pública, priorizando o local e o internacional;
Investimento na comunicação: novos formatos e novas ferramentas, reposicionando o comunicar para quem, para que e o como;
Um novo sentido da solidariedade internacional
Ex: Missão Ecumênica Guarany Kaiowá, Missão Ecumênica de Pau D´Água (parceria da CPT, com organizações do FEACT e PAD)
Pad- Articulação e Diálogo Internacional
Por: Kátia Visentainer — Comunicação