Dilma drag the country into an economic apocalypse

Or got rid of the PT and its populist-socialist model and promote deep structural changes, or Brazil will go into a swirl entitled to hyperinflation and financial desertification

Hate the big house?

Then the PT press has been repeating the mantra adopted in the 2014 elections, that “the white elite of this country do not want the poor around, except as domestic workers”, states that “the big house hatred prevails,” but forgets to tell an honest and absolute truth, that the economic model adopted by petismo, populism is a smokescreen to cover up the incompetence and vote buying, masked by social programs that have improved the lives of some, but kept large part of the population satisfied with the maintenance of underemployment.

Explain

The neoliberal model, which had been consolidated in Brazil in the years of Fernando Henrique Cardoso, envisaged an economy along the lines of English and American. In this model, the rich countries get richer and the poor poorer, until suited (and then enter measures against corruption, investments in education, encouraging industrialization, etc.) and can climb level. The same internal repeats, who is rich will get richer but the poor still poor only if not “chase”. The most radical say, “in the United States and Europe’re full of poor.” Indeed, but not for lack of state support, however. social programs are maintained and the “American dream” persists. Here in our “hick dream” the summit is to join the public service, pack a bonus and get rich by bleeding the coffers of the company.

Carrying on

The populist-socialist model of Lula / Dilma and her troupe, Brazil is no longer a poor country forcing the entire production sector to donate money to social programs, buying money from banks through loans to unpayable interest and increasing the income tax, that according to the logic PT, “who earn more, have to pay more.” Only in Brazil that charity is imposed. The amount of the assistance of the program increased and the government said about 14 million families (or 56 million people, in a country of 200 million) are benefiting from the program. That’s more than the entire population of Argentina (41450000). It’s like an entire country lived in poverty and needed the scholarship, whose value ranges from $ 77 to 366. The prize question is, if we had implemented the neo-liberal model in its entirety (privatization, non-interference in the economy, tax cuts, etc.), we would not be as good or better than Chile, the only Latin American country to adopt the model?

Parenthesis

So that justice be done, it is good to note that the neo-liberal economic policy of Chile was established by dictator Augusto Pinochet, who with use of force ended unions and imposed without resistance, the neo-liberal model. In Britain, Margaret Thatcher implemented the model with great difficulty, with strong resistance from countries like France, whose model inspired our legislators to make a full constitution patches.

Returning

According to the International Labor Organization — ILO, “Only 30% of the population is integrated into the formal labor market. Of the 70% that are outside, 30% do not work, 22% are under-employed and 18% are unemployed “(CNBB, 1995, p.15). This becomes clear when we note that Brazil is one of the countries with the greatest concentration of wealth in the world. However, with the implementation of socialist-populist model, we have to maintain these sub-jobs that should have ceased to exist for more than a decade, such as attendants stations, bus conductors, grocery packers, etc. These jobs are maintained by force of unions paid with workers’ own money for those still exist. Absurd retreat from a globalized economy. And no the Brazil want to “open markets” with countries like Iran, living in the stone age. This will not save our economy.

What we currently have

It is an economic model that does not exist but tries to impose, hence the distrust of investors in relation to Brazil. The uncertainty is due to the increase of state policies. Every time we talk about crisis, the government opens a public tender, swelling the state machine and keeping white elephants such as power companies, Postal and oil. In the United States only one company is state-owned, the US Postal Service, and still works as if it were a private company, without political interference. Multinational companies are completely free to enter and invest in the US. The country has one of the most open economies in the world — that is, with few restrictions on foreign investments and imports, and little federal government intervention in the economy. There they have problems with a few things, such as agriculture and steel. But on the other hand, imports are massive, nearly $ 1 trillion (US $ 4 trillion) per year. If Brazil does not make a structural and economic reform, very soon we will have the return of hyperinflation, mass unemployment and a real stampede of foreign investment (if it includes closing industries).

Revelation economic

The current moment we are living will be extended. No, the country will not return to growth in 2016 as envisaged in the “Senator pedaling” Acir Gurgacz (PDT-RO). And hardly with Dilma Roussef we have some recovery in 2017. Taking the power of PT is not a partisan issue, it is taking a political model outdated, paternalistic and demonstrably failed. Dilma’s departure is trying to resume growth, with a minimal state policy. There is no way the country grow with a legislative spending absurdly, a bloated executive and judiciary a heavy, slow and costly. We never fall in economic stagnation.

One of the arguments

Used by advocates of government income distribution programs, is the situation in which a large part of the small municipalities, it was not the money that circulates through the payment of these benefits, they would go bankrupt. The problem is that they are already bankrupt, just did not realize. Most just manages payrolls, mayors are in Brasilia begging lawmakers, who in turn sell their votes in insane proposals from the government in exchange for the release of amendments, thus maintaining a vicious circle.

At the same time

We have a PT utopia that Latin America could survive in a capitalist world with a socialist policy. What populist movements in Latin America are doing is to keep the poorest populations such as voting machine and popular support. But poor or iPhone or Nike shoes and imported car. But living bag and dreaming of the public service, this is unlikely to happen. We need the Brazilians enrich, but this only happens with education, training and entrepreneurship encouraged by lines of credit less bureaucratic and minimal state. The rest is legend and row of opportunistic political conversation.

Trademark

Político® panel obtained registration and is officially registered trademark of A.D. Productions company. With this, we have acquired the right to use the ® in all our publications and the Political Panel name can no longer be used by other vehicles, otherwise be infringing the legislation.

Produced with the help of Google Translate

Original version on portuguese

Dilma arrasta o país para um apocalipse econômico

Ou nos livramos do PT e seu modelo populista-socialista e promovemos profundas mudanças estruturais, ou o Brasil vai entrar em um redemoinho com direito a hiperinflação e desertificação financeira

Ódio da casa grande?

Então a imprensa petista vem repetindo o mantra adotado nas eleições de 2014, aquele que “a elite branca desse país não quer ter o pobre por perto, a não ser como empregado doméstico”, reafirma que “o ódio da casa grande predomina”, mas esquece de contar uma verdade honesta e absoluta, a de que o modelo econômico adotado pelo petismo, o populismo, é uma cortina de fumaça para encobrir a incompetência e compra de votos, mascarada por programas sociais que melhoraram a vida de alguns, mas manteve grande parte da população brasileira satisfeita com a manutenção de subempregos.

Explico

O modelo neoliberal, que vinha sendo consolidado no Brasil nos anos de Fernando Henrique Cardoso, previa uma economia nos moldes da inglesa e americana. Nesse modelo, os países ricos ficam mais ricos e os pobres mais pobres, até que se adequem (e aí entram medidas contra corrupção, investimentos em educação, incentivo à industrialização, etc) e possam subir de patamar. O mesmo se repete internamente, quem é rico vai ficar mais rico e quem é pobre só continua pobre se não “correr atrás”. Os mais radicais dirão, “nos Estados Unidos e Europa tá cheio de pobre”. De fato, mas não por falta de apoio do Estado, pelo contrário. Programas sociais são mantidos e o “american dream” persiste. Aqui em nosso “dream tupiniquim” o ápice é ingressar no serviço público, arrumar uma gratificação e ficar rico, sangrando os cofres da sociedade.

Continuando

No modelo populista-socialista de Lula/Dilma e sua trupe, o Brasil deixará de ser um país pobre forçando todo o setor produtivo a doar dinheiro para programas sociais, comprando dinheiro de bancos através de empréstimos a juros impagáveis e aumentando o imposto de renda, que segundo a lógica petista, “quem ganha mais, tem que pagar mais”. Só no Brasil que a caridade é imposta. A quantidade de assistidos pelo programa aumentou e segundo o governo cerca 14 milhões de famílias (ou 56 milhões de pessoas, em um país de 200 milhões) são beneficiadas com o programa. Isso é mais que a população toda da Argentina (41,45 milhões). É como se um país inteiro vivesse na miséria e precisasse da bolsa, cujo valor varia de R$ 77 a 366. A pergunta premiada é, se tivéssemos implantado o modelo neo-liberal em sua totalidade (privatizações, não interferência do Estado na economia, redução de impostos, entre outros), não estaríamos tão bem ou melhor que o Chile, único país da América Latina a adotar o modelo?

Parêntese

Para que se faça justiça, é bom ressaltar que a política econômica neo-liberal do Chile foi implantada pelo ditador Augusto Pinochet, que, com uso da força acabou com sindicatos e impôs, sem resistência, o modelo neo-liberal. Na Inglaterra, Margareth Tatcher implantou o modelo a muito custo, com forte resistência de países como a França, cujo modelo inspirou nossos legisladores a fazerem uma Constituição cheia de remendos.

Voltando

Segundo dados da Organização Internacional do Trabalho — OIT, “Apenas 30% da população brasileira está integrada ao mercado formal de trabalho. Dos 70% que se encontram fora, 30% não trabalham, 22% são sub-empregados e 18% são desempregados” (CNBB, 1995, p.15). Isso fica claro quando observamos que o Brasil é um dos países com maior concentração de renda do mundo. Porém, com a implantação do modelo socialista-populista, temos a manutenção desses sub-empregos que já deveriam ter deixado de existir há mais de uma década, tais como frentistas de postos, cobradores de ônibus, empacotadores de supermercado, etc. Esses empregos são mantidos por força de sindicatos pagos com dinheiro dos próprios trabalhadores para quem continuem existindo. Um retrocesso absurdo em relação a uma economia globalizada. E não adianta o Brasil querer “abrir mercados” com países como o Irã, que vivem na idade da pedra. Isso não vai salvar nossa economia.

O que temos atualmente

É um modelo econômico que não existe, mas tenta se impor, daí a desconfiança dos investidores em relação ao Brasil. A insegurança se deve a políticas de aumento do Estado. Todas as vezes que se fala em crise, o governo abre um concurso público, inchando a máquina estatal e mantendo elefantes brancos como as empresas de energia, Correios e petróleo. Nos Estados Unidos apenas uma empresa é estatal, o US Postal Service, e mesmo assim trabalha como se fosse uma empresa privada, sem ingerência política. Empresas multinacionais são completamente livres para entrar e investir nos EUA. O país possui uma das economias mais abertas do mundo — isto é, com poucas restrições contra investimentos estrangeiros e importações, e pouca intervenção do governo federal na economia do país. Por lá eles têm problemas com algumas coisas, como a agricultura e o aço. Mas, por outro lado, as importações são gigantescas, cerca de US$ 1 trilhão (R$ 4 trilhões) por ano. Se o Brasil não fizer uma reforma estrutural e econômica, muito em breve teremos a volta da hiperinflação, desemprego em massa e uma verdadeira debandada de investimentos estrangeiros (inclua-se o fechamento de indústrias).

Apocalipse econômico

O atual momento que estamos vivendo vai se prorrogar. Não, o país não vai retomar o crescimento em 2016 como prevê o “senador das pedaladas” Acir Gurgacz (PDT-RO). E dificilmente, com Dilma Roussef tenhamos alguma retomada em 2017. Tirar o PT do poder não é uma questão partidária, é tirar um modelo político defasado, paternalista e que comprovadamente não deu certo. A saída de Dilma representa a tentativa de retomarmos o crescimento, com uma política de estado mínimo. Não tem como o país crescer com um Legislativo que gasta absurdamente, um Executivo inchado e um Judiciário pesado, lento e dispendioso. Nunca sairemos da estagnação econômica.

Um dos argumentos

Utilizados pelos defensores dos programas de distribuição de renda do governo, é a situação em que se encontra grande parte dos pequenos municípios brasileiros, que não fosse pelo dinheiro que circula graças ao pagamento desses benefícios, eles iriam à bancarrota. O problema é que eles já estão falidos, só não se deram conta. A maioria administra apenas as folhas de pagamento, prefeitos ficam em Brasília pedindo esmolas a parlamentares, que por sua vez vendem seus votos em propostas insanas do governo em troca da liberação de emendas, mantendo dessa forma um círculo vicioso.

Ao mesmo tempo

Temos uma utopia petista de que a América Latina poderia sobreviver em um mundo capitalista com uma política socialista. O que os movimentos populistas estão fazendo na AL é manter as populações mais pobres como máquina de votos e apoio popular. Mas pobre quer Iphone, quer tênis Nike e carro importado. Mas vivendo de bolsa e sonhando com o serviço público, isso dificilmente vai acontecer. Precisamos que os brasileiros enriqueçam, mas isso só acontece com educação, qualificação e empreendedorismo incentivado por linhas de créditos desburocratizadas e um estado mínimo. O resto é lenda e conversa fiada de político oportunista.

Marca registrada

Painel Político® obteve o registro e passa a ser oficialmente marca registrada da empresa A.D. Produções. Com isso, adquirimos o direito de usar o ® em todas as nossas publicações e o nome Painel Político não pode mais ser usado por outros veículos, sob pena de estar infringindo a legislação.

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.