De tanta vida, achávamos que era imortal

Quando meus primos mais novos nasceram, ele já tinha uma idade avançada. Quando meus outros primos (com idade para serem meus pais) nasceram, ele ainda tinha uma idade avançada. Quando eu nasci, ele tinha uma idade avançada. Quando meu filho Júlio nasceu, o meu avô Júlio passava de um século. E além de vivo, lúcido. E amava ser um hospitaleiro em seu sítio. Aliás, o nome de meu filho é uma homenagem a ele. Júlio Moreira bisneto de Júlio Moreira.

Acredito que esta lucidez, esta vida firme e cativante, nos fez criar expectativas que soam absurdas para terceiros. Imaginava meu filho, um pouco maior, vendo meu avô falando, compartilhando suas experiências, pregando em um de seus devocionais — fazia questão de compartilhar questões sobre vida cristã em comunhão com todos de casa pela manhã após o café, e pela noite, antes de dormir. Criávamos aquela cena dele, com 1 século e um quarto de século, brincando com os bisnetos, falando nos devocionais, recebendo com um grande sorriso cada membro da família — que não era necessariamente de sangue. Muitos foram adotados por ele. Muitos ele conquistou com seu amor e amizade.

Lembro da Bíblia com cantor cristão (um hinário usado em várias igrejas, principalmente batistas no Brasil) que ganhei dele. Me recordo de questioná-lo, com menos de uma década, do porque um hino com “pátria amada, idolatrada” (hinos nacionais estão presentes em vários hinários cristãos) estar presente em um hinário cristão. E a cada conversa sobre novas fases profissionais, acadêmicas, familiares. Sobre desabafos em situações na igreja. E fé. Um exemplo para cada filha. Cada neto. Cada bisneto. Cada trineto. Seus 101 anos permitiram que ele visse 3 gerações. Viu neto ser avô.

Mas mesmo com sua forte lucidez, sua forte oratória, sua estrutura era frágil. E esta estrutura o fraturou. E sua internação nos fraturou. E o Eterno o recolheu, no dia 21.

Ele não era imortal. Ou melhor, ele deixou sua vida aqui. Em cada exemplo, em cada história. E ele está vivo, e está com o Mestre e Rei dos Reis.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Thiago Paiva’s story.