Sobre presidentes, orações e decepções

Um texto vindo de uma sequência de tweets da semana passada.

Political Compass Nova Versão Deformada

Quem me conhece sabe que se botar minhas ideias naquelas bússolas políticas, vai dar algo voltado pra centro-esquerda. E sabe também que sou cristão.

E acredito também que quem está acompanhando o cenário político atual do nosso país, sabe o que isto significa.

Primeiro de Janeiro todos meus irmãos de fé que não tinham se expressado politicamente saíram da toca. Um nacionalismo anti-bíblico (leia bem o livro de Jonas e veja quem ele era, amiguinhos!) surge sabe-se lá de onde, e uma junção bizarra de igreja e estado, de uma forma que nenhum protestante que conheça minimamente a história da reforma (a protestante, não a da previdência!) apoiaria. E claro, tem base bíblica:


Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ação de graças por todos os homens;
pelos reis e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranqüila e pacífica, com toda a piedade e dignidade.
1 Timóteo 2:1,2

Veja bem, não estou falando que a Bíblia está errada. Só queria entender porque este versículo só passou a valer depois da posse do atual presidente. Só queria entender porque usam esta argumentação da oração toda vez que alguém faz um comentário crítico à postura da atual presidência. Só queria entender porque não se fala que o versículo menciona que as súplicas, orações, intercessões e ações de graças devem ser feitas por todos os homens.

Me dá tristeza ver que aparentemente fazem um imoral uso das Escrituras para defender um candidato tão contraditório com a fé cristã. Me entristece ver que usam um versículo como um cala-boca aos que reivindicam direitos básicos.


— Vai ter corte na educação”

— Vai orar!

— Investiguem o envolvimento com as milícias!

— Ora que melhora!

— A forma que estão fazendo reforma da previdência não vai dar certo!

— Você não tem fé!


Eu acredito sim no poder da oração. Acredito que Deus ouve nossas súplicas, nos dá força e consolo. Mas oração não é um iFood celestial, em que você faz os pedidos e fica sentado esperando acontecer. Inclusive acredito que:

  1. Oração deve ser acompanhada ao agir. Deus nos deu raciocínio e capacidade de sermos também seres ativos;
  2. A oração nos altera mais do que o nosso ambiente. Quando eu oro, não é Deus que muda, e sim nós que nos transformamos e nos ajustamos à vontade divina.

Mas parece que isto está devidamente ignorado, e quem não pensa conforme o mainstream da fé, é marginalizado, é alvo de chacota.

E pouco a pouco tudo isto — a falta de empatia, o mau uso da fé, as ligações obscuras da igreja com a política partidária — te desgasta, te desanima. Você perde inclusive o ânimo de congregar.


Nem espero que pessoas mudem de ideia com o que eu escrevi. Acredito que só o Espírito Santo para convencer estas pessoas do mal que estão fazendo com seus irmãos na fé. Este texto é um desabafo, para mostrar aos meus irmãos de fé que estão passando por isto, que eles não estão sozinhos.

E este desabafo é também um pedido de oração.

Orem pelos seus governantes.

Orem pelos seus amigos.

Orem pelos seus inimigos.

Orem por TODOS!