Playoffs Preview: Conferência Oeste

San Antonio Spurs (2º) x Memphis Grizzlies (7º)

Se tem um time na Liga que consegue se reinventar temporada após temporada, esse time é o San Antonio Spurs. Mais uma vez a equipe comandada magistralmente por Gregg Popovich fez uma ótima temporada regular (nos últimos 18 anos, só em duas oportunidades não esteve entre os 3 primeiros do Oeste) e chega mais uma vez com chance de título, estando abaixo apenas do Golden State Warriors em favoritismo. O confronto que também aconteceu nos últimos Playoffs, devem terminar de forma semelhante, com os Spurs passando sem tanta resistência por parte dos Grizzlies.

Os irmãos Gasol, Marc #33 (MEM) e Pau #16 (SAS) mais uma vez estarão em lados opostos. (NBAE/Getty Images)

Quando se anunciou na Offseason que Tim Duncan estaria deixando as quadras, foi uma situação bem diferente de outras equipes perdendo sua estrela. Geralmente essa hora é o momento em que se recomeça uma construção, vide o Boston Celtics pós-Big Three ou o próprio Lakers, que já vem cambaleante desde que Kobe Bryant começou a sentir o peso da idade. Para o San Antonio Spurs, a reconstrução é a cada temporada, com um mérito imensurável de Gregg Popovich e de RC Buford, General Manager, que mapeiam jogadores nos mais variados lugares para que possam complementar o elenco que geralmente já é bem forte. Essa temporada fora Pau Gasol, que é um jogador já consagrado e que vinha bem no Chicago Bulls, a equipe não fez grandes aquisições (mas mesmo em Pau Gasol já se notou uma mudança no jogo, se tornou o recordista de aproveitamento em chutes de 3 pontos em uma temporada, 53,8%, o que seria inimaginável para um pivô, já aos 36 anos, e que nunca foi exímio chutador de 3, isso é o mais claro exemplo do dedo do treinador), chegaram sem muito alarde David Lee, Dewayne Dedmon, Dāvis Bertāns e outros via draft que não tiveram muito espaço, contando com a saída de David West que foi para o Golden State Warriors e do gigante sérvio Marjanovic que optou por seguir sua carreira no Detroit Pistons. Outro fator importante somado ao, sempre forte, jogo coletivo é o crescimento de Kawhi Leonard, um dos melhores defensores da Liga, que está cada vez mais destacado no outro lado da quadra. A equipe do San Antonio Spurs nos faz chover no molhado, retificando a cada temporada suas virtudes, que sempre mantém o time texano na briga pelo título, e por todos esses fatores já conhecidos, o Spurs é uma vez mais candidato ao título, sendo o maior rival do Golden State Warriors na corrida pelo Trófeu Larry O’Brien, estando em cima do atual campeão Cleveland Cavaliers, e consequentemente favorito para esta série.

O Memphis Grizzlies que começou a temporada com novo técnico, contou com a chega de David Fizdale para o lugar de Dave Joerger, demitido após a eliminação na primeira rodada dos Playoffs frente ao mesmo San Antonio Spurs. Mas essa parece ter sido a mudança mais significativa da equipe, porque como na última temporada, a equipe que tem o mesmo adversário nos playoffs, terminou na mesma sétima colocação, com uma temporada semelhante (apenas uma vitória a mais) e sem jogar um basquete convincente, que leve a crer que a equipe possa repetir o feito de 2011, aonde chegou aos Playoffs como oitavo colocado e eliminou o San Antonio Spurs, então primeiro colocado e amplo favorito. Se não tudo igual, o prognóstico tende a piorar para o time do Tennessee está com a corda no pescoço para as próximas temporadas, por conta das renovações de Marc Gasol e Mike Conley além da contratação de Chandler Parsons, os Grizzlies tem pelo menos 80 milhões de dólares comprometidos nos contratos destes 3 atletas, tornando muito difícil a aquisição de grandes nomes. Então a equipe necessita que Marc Gasol, que caiu de rendimento essa temporada, e Chandler Parsons, que fez paupérrimos 6,2 pontos por jogos, façam valer o investimento da equipe, até porque outros jogadores que contribuíram para o bom desempenho da equipe começam a ser menos determinante por conta da idade, então sem já poder esperar muito de Tony Allen e Zach Randolph, o Memphis fica mais dependente de seu trio de 80 milhões (valor pouco maior ao que recebe o trio de Cleveland ou mesmo o quarteto de Golden State Warriors), dessa temporada o que sai de positivo é que Mike Conley mais uma vez continua jogando bem e JaMychal Green cresceu de rendimento de rendimento a medida que foi ganhando espaço. O Memphis Grizzlies entra numa série que difícil de reverter o panorama, mas como em 2011, não está morto quem peleia.