Real origem

No princípio havia o desespero

O medo de ser esquecido por um qualquer

Teceram-se os fios

Estabeleceu-se o controle

Acorrentaram os lobos

Impediram os pássaros de voar

A vida sem graça

Goteja o ácido senso comum

Que saber o que todos já sabem

Determina a essência do ser

De olhos vendados

Escorregando no fio da navalha

Ignorando a existência de monstros

Cobiçando o poder

Beberá escondida essa noite

Mas não tranque portas e janelas

Deixe o vento entrar

Emanarei minhas energias

Para outro universo

Para nenhuma criança nascida

Deixar de sorrir

Eu não sei viver

Sozinho

Nessa cela

Nesse esgoto

E não há nada que eu possa fazer

A não ser

Sentir ódio

Sentir dor

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Aparato da Revolução’s story.