Desculpe-nos pelo transtorno
Nathalia Ilovatte
183

Querida filha,

A amiga imaginária que passou a habitar a sua mente aos cinco anos de idade, criticando as suas lições de casa (que tenho certeza, estavam ótimas!), deve ser filha da bruxa má que até hoje habita a minha mente. Anos e anos de terapia e medicamentos controlados para Transtorno Afetivo Bipolar e Transtorno Obsessivo Compulsivo não a mataram, infelizmente. Mas mantêm a velha nariguda acorrentada. Como dizem, o fruto nunca cai muito longe da árvore. Você é a minha frutinha!

Gostaria que você tivesse dividido todo esse sofrimento comigo. Teríamos conseguido ajuda pra você muito antes da sua vida adulta o que, certamente, teria tornado sua infância e adolescência, muito mais fácil. Confesso que me sinto culpado por nunca ter percebido nada.

Claro que percebia que você era tímida, ansiosa. Mas sempre achei que isso ocorria dentro da ‘normalidade’(se é que isso existe). Nunca imaginei que houvesse um turbilhão de emoções lhe corroendo por dentro. Por que represar tudo aquilo? Para não incomodar os outros? Para não ocupar espaço em nossas vidas? Para não ser notada? Para não existir na família? Por que? Por que não pôs tudo pra fora? Por que não vomitou tudo em cima de nós? POR QUE NÃO VOMITOU TUDO EM CIMA DE MIM? ERA EM CIMA DE MIM? OU ERA EM CIMA DO SEU PAI BIOLÓGICO QUE VOCÊ QUERIA VOMITAR TODO O SEU SOFRIMENTO?

Ponha pra fora! Grite! Incomode! Você tem esse direito! Você tem o direito de ocupar espaço no mundo, na vida das pessoas! Você tem o direito de causar transtorno, de ser percebida, de causar estragos, de ser um vendaval, de quebrar tudo e de não pagar o conserto! Você é humana e os seres humanos são assim!

Todos nós, diagnosticados com transtornos disso ou daquilo, ou não diagnosticados, temos as nossas bruxas e madrastas interiores a nos fustigar a vida toda. Reconhecer e buscar ajuda é um grande passo, uma grande prova de maturidade e humildade. Talvez não haja cura, haja apenas um aprendizado de convivência de contenção. Você aprende a ficar no controle da bruxa velha e má, coloca-a na gaiola, tranca a porta, fica com as chaves e se mantém sempre de olho. Mas ela nunca morre! Pior, passamos a criatura adiante, de geração em geração, de mãe para filha! De pai para filho!

Por que eu não vi isso em você antes? Por que você não me falou antes? Eu teria me desdobrado em te ajudar. No começo, eu não saberia como; eu não entenderia. Mas depois, a coisa ia se esclarecendo e a gente procuraria o melhor caminho, até chegar a alguém que pudesse cuidar disso… Por que sofrer em silêncio se você foi criada por duas pessoas que te amam?

Ponha para fora! Abra a boca e, como nos melhores filmes de terror, vomite aquela gosma verde, num jato violento e incontrolável, em cima dos outros, da vida, do mundo! Solte cobras e lagartos. Ligue o foda-se, minha filha, e seja feliz! Porque contenção demais nos fará infartar, causará úlceras e dor nas costas! Relaxa, Nathalia! Você veio ao mundo para ser feliz! Manda a bruxa se foder!

Assinado: Mommy (aquela que te ama acima de qq coisa no mundo!)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.