#10 O Maior Escândalo

O Jesus folclórico sempre foi popular: Nasce numa manjedoura, prega amor, cura doentes, é martirizado pelas convicções, sempre meigo e bonzinho.

O Jesus real sempre causou escândalos. Sua divindade escandalizou os Judeus. Sua humanidade escandalizou os gnósticos — para eles nenhuma divindade se contaminava com matéria. Sua ressurreição escandalizou os gregos — era intelectualmente repugnante.

Mas, hoje, a característica do Jesus real que mais escandaliza é a sua unicidade; Jesus como único salvador. Os “politicamente corretos” protestam: “Não é mais possível você sair por aí dizendo para os outros, tão devotos e inteligentes quanto você, que você é salvo e eles condenados”.

Mas, o Jesus real afirmava sua unicidade: “Eu Sou o caminho, a verdade e a vida”…tudo no singular. Esta singularidade escandaliza a pluralidade do mundo atual. Parece mais bonito dizer que todos os caminhos levam a Deus: O problema é que esta visão que parece tão tolerante e humana não corresponde a verdade bíblica de “um só mediador”(I Tim. 2.5) e “nenhum outro nome”(Atos 4.12). E temos que encarar este escândalo.

Este escândalo pode nos desmotivar: Neste mundo de pluralismo religioso vai ser mais e mais difícil o Cristão manter sua posição bíblica.

Este escândalo pode nos motivar: Temos o privilegio e responsabilidade de apresentar ao mundo perdido este Salvador.

Em meio aos povos escandalizados pelo Jesus real, a igreja primitiva sacudiu o mundo;

E nós?

Um grande abraço,

Patrick

(Estas meditações são baseadas no meu livro “Nove Provas de Autenticidade Crista, da Editora Betânia, www.editorabetania.com.br)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.