Memória e Emoções na UX.

A mente humana é fantástica, capaz de armazenar milhares de informações, que aliadas a sentimentos tem o poder de levar informações por toda a vida, e isso pode ser muito útil para criar experiências marcantes.

Princípios da Memória

A memória pode ser definida em basicamente 3 tipos, A Memória Sensorial, A Memória de Curto Prazo e a Memória de Longo Prazo.

O processo de memorização.
  • Memória Sensorial corresponde aos nossos sentidos, ela atua com naturalidade no nosso cotidiano, e serve para captar a informação que será levada à memória de curto prazo.
  • Memória de Curto Prazo é a etapa onde captamos uma informação que será lembrada por um pequeno período sem a necessidade de repetição.
  • Memória de Longo Prazo já é o ponto onde informações são guardadas por anos, e potencialmente para a toda a vida.

A melhor maneira de conduzir uma informação para a Memória de Longo Prazo é através da repetição ou associação.

A Memória Depende do Estado Emocional

O efeito das emoções na memória é facilmente perceptível logo que uma pessoa que caminha todos os dias num parque não se lembra dos acontecimentos do dia anterior naquele mesmo lugar, enquanto que se a mesma pessoa for vitima de algum assalto, ou situação intensa naquele local, posteriormente vai lembrar com mais intensidade do que lhe aconteceu, principalmente dos detalhes mais fortes da emoção, como por exemplo a arma que o ameaçou no assalto, ou o que representou perigo no momento. Conhecido como Fenômeno de Focagem da Arma, é característico de vitimas de assalto, onde tendem a lembrar com muito mais detalhes da arma que o ameaçou, do que o rosto do assaltante.

O fenômeno de focagem da arma foi examinado por Maass e Köhnken (1989) numa situação experimental realista e emocionalmente vivenciada. Neste estudo um grupo de sujeitos encontrava-se no laboratório para realizar um conjunto de testes, quando a certa altura entrava na sala uma pessoa empunhando uma seringa de forma bem visível. Os participantes foram mais tarde solicitados a identificar a pessoa numa parada, obtendo-se um grau de reconhecimento inferior e menos preciso em relação a outro grupo que não viu a seringa. Em contraste, os participantes foram capazes de recordar bastante detalhes sobre a seringa, como por exemplo a cor e até detalhes da mão.

Em outro estudo, realizado por Bower et al. (1981), sobre como as emoções podem afetar a experiência das pessoas foi reunido um grupo de pessoas previamente hipnotizados a sentirem-se alegres ou deprimidos para ler 2 histórias, uma a história do André, um personagem alegre e satisfeito da vida e a do Jack, um personagem deprimido e falhado. Os resultados obtidos indicaram que os sujeitos lembraram de mais elementos informativos da história lida com que tinham maior correspondência emocional.

As Emoções Aplicadas na Experiência

Desenhar uma experiência não é somente identificar as pessoas envolvidas, mas conhecer a fundo qual o tipo de sensação irá ser passada para o produto. Ao colocar lado a lado um conteúdo de problemas sociais com um material de venda de algum produto, se olharmos detalhadamente cada um deles poderemos listar as emoções que cada um passa, pois a informação carrega emoções.

Saber aplicar essas emoções na UX envolve entender o sentimento que a pessoa já carrega ao conhecer seu produto. É como colocar 2 pessoas para ver o mesmo filme, a que tiver já uma prévia experiência com o conteúdo retratado vai se envolver melhor com o filme do que a outra que não teve experiência alguma com o que foi encenado.

Website da Missão Desafio.

Em um dos últimos projetos realizados pela Hybear, uma das principais metas era caracterizar a imagem, e para isso uma experiência mais emocional foi criada.

Trazendo logo de inicio reflexões a respeito da necessidade humana, abusando da memória sensorial através de imagem e som, e também alinhado aos efeitos na memória de longo prazo através da repetição da estrutura fez com que após a primeira experiência, quem acessa venha memorizar a imagem mais facilmente.

Conclusão

“Tão importante como conhecer seu usuário, é conhecer suas motivações, para conduzir suas emoções.”

A memória é um fator fundamental na Experiência do Usuário e tendo em vista o reflexo das emoções na memoria do usuário, criar experiências em conjunto de emoções que seus usuários já carreguem consigo, são uma boa aposta para valorizar a memorização de um produto.

Leitura Recomendada

A seguir listei alguns links uteis que podem servir de base para entender mais sobre esse tópico:

Memória e Emoções

How Human Memory Works Tips For UX Designers

User Memory Design: How To Design For Experiences That Last

Mood And Memory


Fique a vontade para conhecer meu portfólio na Hybear.