Ciberbulling: um crime com proporções inimagináveis

Vítima com a intimidade violada é abalada emocionalmente, tem a moral ferida e ainda sofre bombardeios de mensagens virtuais

As vítimas de vazamento de fotos ou vídeos íntimos divulgados sem autorização aumentou no país nos últimos anos. Dados divulgados no jornal Estadão mostra que a ONG brasileira de defesa dos direitos humanos que atualiza a internet publicou que no ano de 2014, 224 pessoas procuraram a SaferNet, para denunciar o crime cibernético conhecido como “revenge porn” — pornografia de vingança. Em 2012, 48 casos foram registrados pela entidade. A maioria das vitimas são mulheres, 81% dos casos, sendo que existem os casos que envolvem menor de idade que varia entre 13 e 15 anos.

A maior repercussão quando se trata de fotos intimas vazadas são de celebridades. Quem não se lembra do caso da atriz global Carolina Dieckmann? Que no ano de 2012, teve 36 fotos pessoais roubadas de seu computador e publicadas na internet. Antes das fotos serem publicadas Carolina recebeu ligações e ameaças de extorsão, mas decidiu não registrar queixa de imediato com medo da exposição na mídia.

Carolina teve as suas fotos vazadas em 2012.

Após ter suas fotos intimas divulgada, ela procurou a Delegacia de Repressão Contra Crimes de Internet, e contou que estava com problemas com uma de suas contas em um site de relacionamento. Relatou ainda que foi a empregada atendeu ao telefone, quando ligaram para ameaçar publicar na internet as fotos dela, exigindo uma quantia de R$ 10 mil.

A Atriz foi vitima de hackers, assim como outras personalidades que também sofreram com esse tipo de invasão. O caso Stenio Garcia e a esposa que teve fotos “nudes” vazadas nas redes sociais. A princesa Kate Middleton também em 2012 teve fotos divulgas por um Paparazzo enquanto fazia topless no Sul da França, essas fotos circularam na Web e foram parar até em capa de revista.

As fotos do ator Stênio Garcia e de sua esposa também foram vazadas

Mas não são apenas os famosos que tem sua privacidade invadida, os anônimos também são submetidos a esse crime, e o sofrimento de ter a intimidade exposta para publicamente vai além de classe social. É um perda irreparável para qualquer ser humano. A vitima não só passa por humilhações na Web, mas também publicamente, em lugares que antes da exposição frequentava rotineiramente, agora é um cenário de horror para ela; na vizinhança, na escola e até dentro da própria casa é vista como uma pessoa sem moral, e isso pode causar isolamento e até depressão, chegando a ter caso em que a vitima cometeu suicídio. A estudante de Direito B. (que não quis ser identificada), teve suas fotos vazadas em 2013. ‘’Eu enviei para o meu namorado na época, porque estávamos longe. 5 meses depois nós terminamos e fiquei sabendo que as fotos foram vazadas. Parecia um pesadelo,’’ comenta.

‘’Eu enviei as fotos para o meu namorado na época, porque estávamos longe. 5 meses depois nós terminamos e fiquei sabendo que as fotos foram vazadas. Parecia um pesadelo.’’
Foto: Ilustração

A demora em punir o culpado aumenta a quantidades de caso de crimes de internet no Brasil. O sofrimento da pessoa que teve fotos publicadas sem consentimento, a impotência, frente aos caos que se instala na vida da vitima gera um desconforto mental e físico, que em alguns casos Ela com a moral ferida não consegue exteriorizar a dor, e acaba se fechando para o mundo desfazendo os relacionamentos conjugais e as amizades. Sendo que apenas os crimes cometidos com maiores de idade é levado para a vara criminal os outros é pornografia infantil que é tratado em outros setores.

A advogada especialista em Direito Digital, Alessandra Borelli, em entrevista para Jusbrasil Traça o perfil das vítimas:As vítimas com maior o número de casos de vazamento está na faixa dos 13 aos 15 anos. Os exemplos mais comuns são de meninas que tiram fotos ou vídeos íntimos, enviam para o namorado, terminam o relacionamento e, em seguida, o ex compartilha o material com amigos.

“A partir dos 12 anos, os jovens começam a invadir as redes sociais. Começa então a interação virtual e a necessidade por curtidas. Os likes são importantes e, para ter as curtidas, os jovens começam a se expor demais. Entram nessa jogada de quem viajou mais, quem tirou a foto mais bonita. Começam a se expor da pior e da melhor forma possível”, disse a advogada.

Os direitos do cidadão são abrigados pela Constituição federal de 1988 no seu art. 5º, X: “são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação”.

Esse direito descrito na constituição assegura a honra e a imagem do individuo, significa que, por integrar o rol de direitos que garante a dignidade do ser humano, a honra da pessoa deve ser respeitada aquém dos fatos. Entra aqui uma discussão quando se envolve uma pessoa publica tais como; jogadores de futebol, políticos, artistas de televisão, pois há divergências quanto à limitação do direito à imagem de tais pessoas.

O psicológico de quem tem as fotos vazadas é bastante afetado. A pessoa, ao se deparar com a sua intimidade vazada, se sente envergonhada e normalmente não sabe como agir. O Psicólogo Ronaldo Pazine comenta um pouco de como fica o psicológico da pessoa.

A cobertura na constituição é igual para todos, mas com ressalva, quanto a divulgação, se está ligada ao exercício profissional, passa a ter relevância de interesse do publico, não ferindo o direito à imagem, pois se trata de um exercício profissional, Não se aplicando quando não se refere a circunstâncias que não traduzam o exercício de suas atividades profissionais — como, por exemplo, em seu ambiente doméstico privado — esse sim viola direito à imagem e à honra, já que sua imagem não possui finalidade de atender ao interesse da sociedade.

Fato é que no mundo em que vivemos, onde a maioria das pessoas tem acesso ao mundo digital, as fotos ganha mais repercussão, afinal, agora elas podem ser vistas por mais pessoas, e todo cuidado é pouco: existem hackers espalhados por todo o canto.

Like what you read? Give patrickrjacob a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.