Como bons hábitos podem te atrapalhar

Apoiar-se naquilo que funcionava no passado pode te impedir de crescer na carreira. Saiba como quebrar esses hábitos

É verdade que manter bons hábitos pode facilitar o caminho para o sucesso. Mas você deve considerar a possibilidade de deixar alguns de lado, sugere Rod Favaron, presidente da empresa de tecnologia Spredfast. Em entrevista à Fast Company, ele explica sua opinião.

Favaron entrou na Spreadfast em 2010, quando a empresa era uma startup. Alguns anos mais tarde, ele descobriu que alguns dos “bons” hábitos estavam atrapalhando o crescimento da empresa. “Em um ambiente empreendedor, você toma decisões com base nos seus instintos”, diz ele. “Eu tinha o hábito de tomar decisões dessa forma. Mas quando as empresas crescem, você precisa mudar isso, porque pode ser um hábito terrível”, explica.

No estágio de crescimento, a empresa conta com informações sobre o mercado e o perfil dos consumidores. “É muito mais maduro confiar menos dos instintos”, diz Favaron. “Para mim, seguir meus instintos foi um hábito difícil de quebrar”.

É comum que as pessoas confiem em hábitos do passado que as levaram a ter sucesso, explica Stuart Sidle, professor de psicologia industrial e organizacional da Universidade de New Haven. “Infelizmente, alguns desses pontos fortes podem prejudicar sua carreira, quando a situação muda”.

O que funcionava em uma posição pode não funcionar em outra
 Quando uma pessoa sai de uma posição de vendas e vai para um nível de gerência, ela traz consigo uma série de hábitos e atitudes que funcionam muito bem para quem trabalha como vendedor, mas que nem sempre podem ajudar quando se torna gerente. “A busca por atenção e disposição para correr riscos pode ajudar um funcionário que trabalha com vendas”, diz Stuart Sidle. “Por outro lado, um gerente precisa dividir as atenções com aqueles que são liderados por ele e tem que ser um modelo de como seguir as regras da empresa”.

Hábitos limitam o potencial
 Embora bons hábitos sejam vistos como pontos fortes, depender demais deles pode limitar seu potencial, segundo Beatrice Chestnut, autora do livro “The 9 Types of Leadership: Mastering the Art of People in the 21st Century Workplace” (Os 9 Tipos de Liderança: Dominando a Arte das Pessoas no Ambiente de Trabalho no Século XXI, em tradução livre).

“Quando exageramos, os bons hábitos podem ser ruins porque ficamos presos em fazer aquilo que estamos acostumados e paramos de cultivar novos hábitos baseados na mudança de contexto e necessidade de desenvolvimento pessoal”, diz ela.

Por natureza, Rod Favaron lembra que hábitos são rígidos — o que é contrário à inovação. “Ficar muito tempo com o mesmo hábito impede o cérebro de se desenvolver”, diz. “Você não pode inovar ou crescer quando está confinado. E quem sabe o que você seria capaz de fazer se não houvesse limites?”

Qualquer atividade que tenha se tornado um hábito na vida profissional precisa ser repensada com alguma frequência, diz Favaron. “Se você não faz isso, assume que sabe a resposta. E se você assume que sabe a resposta, vai perder a oportunidade de fazer uma grande descoberta”.

Hábitos podem fazer você parar no tempo
 Seguir sempre a mesma fórmula pode fazer com que você fique preso no passado. Quando uma pessoa pediu a Favaron uma caneta emprestada, ele percebeu que não carregava uma caneta há anos. “Nos meus empregos antigos, eu mantinha anotações em pastas e toda a história da empresa estava documentada daquela forma”, diz ele. “Na Spredfast, não tenho nada anotado em papel”.

A tecnologia muda a forma como nos comunicamos e é raro ter a necessidade de anotar alguma coisa em papel. “O novo hábito é enviar e-mails, mensagens de texto… Mas devemos continuamente quebrar hábitos para sermos mais rápidos e melhores”, afirma. A verdade, diz Favaron, é que métodos do passado raramente funcionam bem.

“Experiência é uma coisa boa, pois permite que você enxergue se uma decisão é boa ou ruim antes de dar o próximo passo. Mas pode eliminar 13 novas formas de fazer algo, antes que alguém tenha a chance de pensar nelas”, resume.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Antonio Garcia’s story.