Não é nada pessoal, eu só não tô bem

Mentira, eu nem sinto muito por isso. Não posso me sentir mal por uma coisa que fica fora do meu controle, meus dias bons e meus dias ruins aparecem quando querem e eu juro que tento ter pelo menos um pouquinho desse controle, mesmo que seja pra dizer que hoje não, hoje eu prefiro ficar sozinha.

Esse ano tem sido mais confuso que os gráficos da economia brasileira, na verdade acho que tenho dias melhores até. Mas são tantos altos e baixos que eu não sei mais se já passou do limite do normal, entende? Estabilidade emocional era tudo que eu queria e eu tenho, às vezes. Quem convive comigo, quem quer estar comigo, tem a obrigação de saber que eu jogo a toalha muito fácil ou que eu tenho essa necessidade absurda de me isolar de um minuto pro outro, e todos precisam saber que nada disso é pessoal. Não tem nada a ver com o mundo, tem a ver comigo, só comigo.

Me sinto aliviada podendo falar isso, já que é bem comum as pessoas acharem que eu desisti delas, quando na verdade eu só precisei de uns dias pra respirar e voltar melhor. É sempre sobre isso, sobre voltar melhor pra não afastar ninguém, e daí confundem tudo porque pensam que eu sou desinteressada. Eu me abstenho de tudo pra me encontrar e não pra cortar relações mais tarde, é o meu tipo de fuga dentro da minha cabeça. Nunca é a pessoa, nunca é pra atingir alguém, é pra me renovar, organizar meus pensamentos.

Eu não sinto muito por isso.

Like what you read? Give Paula Diniz a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.