Sobre o dia que acordei e não precisava mais — tanto assim — de você

Foi muito tempo pensando em você todos os dias, era assim: você enquanto eu dormia, enquanto eu almoçava, enquanto eu estudava, você enquanto eu ouvia alguma música bonitinha, você quando eu pegava um ônibus que passava perto da sua rua, você quando via algum amigo seu, era você. Parece até coisa de filme adolescente, mas na verdade pensar tanto em você me estragou de trinta formas diferentes, passei a viver só pra ter o seu bom dia, aliás, meu dia só era realmente completo se eu falasse contigo, porque era pra ser a gente, nós dois inventando coisas novas e passando por cima de todo mundo que é idiota. Lembro de me imaginar tocando a campainha da sua casa, de passar o dia na sua cama, era esse o plano, você lembra?

E daí dia vem, dia vai e viramos amigos. Aquela vontade de ter você continuava, mas é que tudo parecia tão diferente dentro do seu mundo. Você mesmo disse que se perdeu um pouco, disse pra eu esquecer tudo que tinha me falado, que não era bom ficar desenterrando certos momentos, me pediu desculpa com a cara mais linda do mundo e eu, com o coração disparado, disse que “tudo bem”, que já tinha superado, que foi só um momento meu e que ainda bem que tinha parado de gostar de você daquele jeito, se não ia quebrar a cara feio! Sua reação foi balançar a cabeça e concordar. Você lembra?

Eu pensava que não ia aguentar ficar sem o meu melhor bom dia, sem o garotinho mais sensacional que já conheci, eu até tentei, mas me deu dor de cabeça, meu estômago embrulhou, dormia só pra fugir da situação. Continuei sendo eu mesma, dando risada, sendo meio carente as vezes, pedindo seu colo, seu abraço. Só que um dia eu acordei e alguma coisa tinha mudado, acordei mais leve, acordei com o coração tranquilo. Acordei e não usei o celular, não abri as mensagens, não senti como se o mundo fosse acabar se não tivesse você.

Um dia, eu acordei e consegui ouvir a música mais triste e bonita sem ter o seu rosto na minha mente, consegui pegar aquele ônibus e mal lembrei das nossas conversas. Um dia eu acordei e vi que todo mundo é substituível, que ninguém vive por ninguém e que tudo, absolutamente tudo, é temporário.

(Esse texto é de 2014, significa muito pra mim. Com certeza pode ser lido em futuras situações, já que ele é a prova de que eu sobrevivi mesmo estando no meu limite de tristeza.)

Like what you read? Give Paula Diniz a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.