Girlene, a favela Metrô Mangueira e os nossos 28 anos

(Fernando Maia/UOL)

Na última sexta-feira (28) fui até a favela Metrô Mangueira, na zona norte do Rio, conversar com os moradores, surpreendidos na quinta-feira por tratores da Prefeitura dispostos a colocar o local abaixo. Sobrevivente e vizinha ao estádio do Maracanã, a Metrô Mangueira resistiu, com muitas baixas, às remoções realizadas em nome da Copa do Mundo e agora espera existir ainda depois das Olimpíadas.

Ao menos oito casas foram derrubadas naquele podetudo que a administração municipal não vê problema em praticar nesses locais que fogem ao cartão postal. Entre os agora desabrigados, encontrei Girlene.

Uma mochila nas costas com documentos, algumas memórias e mudas de roupas, um filho de oito meses e outro de quatro anos pelo braço, uma geladeira e uma máquina de lavar — tudo o que conseguiu salvar nos 15 minutos que teve para esvaziar a sua casa -, mais um desespero que jornalismo nenhum conseguiria registrar.

Paraibana, ela deixou o filho mais velho, de 10 anos, com a mãe e veio tentar a sorte com o namorado e o filho, então recém-nascido, no Rio. Arrumaram um barraco por R$ 400 ao mês na Mangueira, ela um trabalho em uma barraquinha de caldo de cana na mesma Metrô Mangueira que depois se tornou seu lar e foram tocar a vida.

O namorado acabou matando alguém por motivos que Girlene preferiu não contar, foi pego e condenado a oito anos de prisão. O caldo de cana, demolido em uma das primeiras tentativas da Prefeitura de acabar com a Metrô Mangueira.

Desempregada, ela ainda engravidou de novo do namorado numa das visitas que fez a ele na prisão, em Bangu, e se viu só no Rio sem ter como pagar nem os R$ 400 do barraco que os dois haviam montado. Invadiu, ainda em 2012, um quarto e sala abandonado num prédio feito de improviso na Metrô Mangueira e dormia com as crianças do lado quando ouviu uma vizinha gritando para ela correr que perigava de os tratores derrubarem a construção com ela dentro.

Conversei com Girlene e com outros moradores, escrevi a matéria do melhor jeito que pude no que me restou de tempo da cruel equação apuração/publicação/internet e não me saiu da cabeça que nós duas temos 28 anos. Só que os nosso 28 correm em planetas diferentes.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Paula Bianchi’s story.