Quando Ismália enlouqueceu

Quando, de repente, uma noite fria, você percebe o desespero por uma mudança. Daquelas grandes, arrebatadoras, viradoras de mundo. 
Mas, acostumada ao autoboicote, pensa que grandes mudanças não vêm planejadas, 
não vêm solicitadas, 
e mesmo se viessem agora,

Agorinha,

Saberia eu o que fazer com elas?

Acostumada ao autoboicote, pensa estar enlouquecendo de novo, perde a noção do que está acontecendo na própria cabeça, não consegue acompanhar o ritmo dos pensamentos, não consigo se mexer,

Não consegue

"Você sempre respondeu pra você mesmo? Sempre repensa suas falas depois de ter dito?"

Sim, semper, senhor acupunturista. Semper, tanto pro bem quanto pro mal. Sim, pois: acostumada a ser sozinha, embora nunca seja sabido ser sozinha.

Agora às vezes acho que sei. Que encontro o conforto.

Aí vem a noite fria e mostra que não, que nem sempre, que falta um passo. Talvez uma grande mudança.

Mas como grandes mudanças não vêm planejadas, 
não vêm solicitadas, 
e mesmo se viessem agora,

Puta merda.