Empatia I

Se todo caminho nos conduz a outros novos caminhos, se cada vez mais somos pressionados a aprender algo novo, por que dificilmente escolhemos aprender sobre nós, pessoas?

Ao sair de casa as vezes tenho a impressão de que tudo está rude e feio. Só existe corpo morto e carniças em busca de dinheiro. Na tv a programação do dia se reveza entra morte, assalto e sequestro.

Estamos acostumados a reclamar

E se ao invés de afiar a língua e apontar o dedo, nos colocássemos no lugar do outro, em outra história certamente diferente da sua?

Vou explicar.
Alguma vez na vida alguém esbarrou em você (se está em SP, com certeza em alguma estação de trêm isso já aconteceu) e você já deve ter ficado emputecid@ com a pessoa.

É normal, mas não deixe o problema constante.
Se coloque naquele lugar.

Pequenos gestos podem mudar o mundo — tanto para o bem quanto para o mal — qual a tua escolha?

Motivos para a pressa:
1- o ser acordou atrasado porque foi dormir tarde porque terminava relatórios do trabalho e está atrasado
2- precisa buscar o leite do filho que acabou e ele está com fome
3- Precisa chegar na reunião que decidirá o resto do ano na empresa
4- Precisa ir até o banheiro mais próximo
5- Seu filho acabou de nascer
6- Alguém acabou de morrer
7- Trabalhou muito e está correndo para chegar a tempo de preparar a janta para a família.

É SÉRIO!

Você provavelmente nunca vai saber o motivo da pressa de alguém.

Então:

Não jugue. Se coloque no lugar do outro.
E se fosse você?

“ O mal não é apenas arrancar a Anne Frank do sótão: o mal é cruzar todo dia pelo porteiro com o braço engessado e nunca perguntar, nunca se preocupar, nunca nem reparar. ’’

Ao se propor enxergar as coisas com outros olhos pode doer. Uma caminhada pelo centro da cidade poderá fazer você desaguar em lágrimas.

Certa vez eu li uma história mais ou menos assim:
Uma mulher do norte do país (Amazônia, Roraima, Acre.. (?)) foi morar no Rio de Janeiro. Ao andar alguns minutos no centro da cidade ela chorou ao ver as pessoas jogadas no chão, sem roupa, água, teto, comida e banho e então, não queria mais sair da sua casa. Algum tempo depois ela se acostumou com a “paisagem” e tudo isso virou normal.

Tipo ensaio sobre a cegueira, saca?

A cidade é feita pra tirar o campo de visão.
não enxerga mais o sol, o horizonte e as pessoas.
Todos vestem os mesmos tons. Os prédios são mais altos. Apartamentos recebem vigilância 24 horas, grades e segurança.

Entendeu por que doi?

Em uma cidade treinada para fazer tampar os olhos, que ensina que arte, filosofia e sociologia não é matéria você provavelmente fique cego, surdo e mudo!

Quantas histórias passam por você diariamente?

Todos temos pelo menos um ponto em comum.

Estamos em busca (na nossa maneira) da nossa felicidade.

Estamos fadados a ignorância!


Emoção: Empatia
Ação: olhar com o olhar do outro

Consciência da das diferenças e igualdades. 
Somos horizontais e fazemos parte da mesma espécie.

Like what you read? Give Paula Oliveira a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.