Em defesa de uma Astrologia Humana

Estreando meus artigos aqui no Medium, quero começar com o pé direito, falando de um assunto que muito me interessa: Astrologia Humanista. E pra dar o chute inicial, uma frase do grande Dane Rudhyar,

As pessoas acontecem para acontecimentos.

Acontecimentos que agem em padrões “predefinidos”, que se combinam, separam, divergem, misturam, e no final resulta numa receita complexa. mas não interessa o resultado final, o prato, e sim esmiuçar os ingredientes utilizados, os sabores misturados, os processos que levaram a tal degustação.

Este é o objeto de estudo da Astrologia Humanista. E mais: Conhecendo a receita, se pode mudá-la para que ela melhore e atinja o seu melhor.

Rudhyar foi porta voz da Astrologia Humanista, uma vertente que andou ao lado da Psicologia Humanista, compartilhando sua ênfase no potencial de criatividade e auto-realização do homem, considerado como mais essencial do que suas limitações, anormalidades e dificuldades no ajustamento social.

E dar significado aos acontecimentos de um indivíduo, é dar compreensão, autoconhecimento. Uma abordagem da Astrologia, centrada na pessoa, traz como objetivo, diz Rudhyar,

…ser capaz de perceber que tudo o que acontece, em qualquer tempo, se encaixa no quadro geral ou na estrutura da sua existência. (…) O que o homem precisa, antes de tudo, é ser saudável no sentido de significado. (…) Mostrar ao homem a significação de sua vida é o que de mais importante a astrologia pode fazer…

E há algo mais importante que dar um significado às suas experiências? Descobrir em si mesmo as engrenagens que te levam à elas? E experimentar o poder de ajustá-las para chegar a resultados desejados ou evitar os indesejados?

Stephen Arroyo, um seguidor de Rudhyar elenca alguns valores que a Astrologia, nessa vertente Humanista, pode oferecer às artes de orientação e conselho, e eu selecionei aqui alguns deles:

  • Percepção do que é real. Revelação de padrões da mente e do ego de forma clara, o que permite lidar, mais eficientemente com nossos hábitos e com nós mesmos.
  • Paciência. É muito mais fácil viver no presente com uma aceitação paciente do aqui e do agora, sabendo que a fase presente terminará quando tiver cumprido o seu propósito.
  • Indica aquilo que deveríamos estar trabalhando, o significado essencial de uma determinada experiência ou fase da vida.
  • Habilita entrar em sintonia com os seus próprios poderes e a usar a força do pensamento, da vontade e da vitalidade criativa, para moldar uma maneira melhor de ser.
  • Pode nos colocar em contato com o dinamismo e a natureza cíclica da vida na sua totalidade.
  • Capacita a pessoa a determinar o tipo de atividade no qual as suas energias vitais podem fluir com maior facilidade e satisfação.

Para terminar, quero deixar um trecho de uma carta de C.G. Jung, de 1947, onde cita o uso e objetivo da Astrologia no diagnóstico de alguns de seus pacientes:

Como sou psicólogo, estou principalmente interessado na luz particular que o horóscopo derrama sobre certas complicações existentes no caráter. Nos casos de diagnóstico psicológico difícil, eu normalmente providencio um horóscopo para poder ter um ponto de vista partindo de um ângulo inteiramente diferente. E digo que muitas vezes descobri que os dados astrológicos elucidam certos pontos que de outro modo eu não teria sido capaz de entender.

E você? Busca se entender?

Referências:

Arroyo, Stephen. Astrologia, psicologia e os quatro elementos. São Paulo: Pensamento, 1975.

Rudhyar, Dane. Planetarização da Consciência.