O Abre Lágrimas

É engraçado como a tristeza incomoda.

Nós sempre respondemos que está tudo bem quando nos perguntam porque é mais prático, porque a gente não vai se abrir pra qualquer um, porque temos medo de virar a pessoa de um assunto só, mas principalmente porque tristeza é um negócio pra se envergonhar.
A gente tem de chorar baixinho, ou embaixo do chuveiro pra disfarçar as lágrimas, a gente tem de estar bem, estar forte, ter amor próprio, saber superar as coisas e lembrar que tudo passa porque a vida é assim.
Mas ninguém vem te dizer que tudo passa quando você está feliz. Talvez porque gente feliz não encha o saco e é melhor não cutucar, de qualquer jeito, tudo passa, mas é a tristeza que fica todo mundo louco pra empurrar pra baixo do tapete logo.
E se você diz que não tá legal, se você assume essa dor e fala que tudo vai mal, incomoda.

Incomoda porque as pessoas não sabem lidar com você, porque muita gente acha que precisa sentir pena, porque muita gente prefere te ver sorrindo, porque muita gente não está nem aí, mas incomoda principalmente porque a tristeza do outro lembra a gente que a nossa felicidade também vai se acabar.

Não que eu goste de estar triste, mas essa obrigação de estar sempre feliz adiciona mais peso a conta do que tira. 
É preciso um certo cuidado pra não se apaixonar pela dor, mas se tá doendo, talvez é porque tenha alguma coisa ali que precise ser sentida.

A tristeza é um abraço. Longo, apertado, as vezes sufocante, mas se você não apertar de volta ela não te solta.

Como velhos amigos que não se encontravam a um tempo estamos botando o papo em dia, ouvindo música juntos, dividindo copos e cigarros. 
Depois tudo provavelmente vai acabar na cama. E quando o sono não vier é ela que vai me fazer companhia madrugada afora, falando sobre a saudade e ouvindo a lista de todas as despedidas que ainda vou ter de me acostumar.
Ela ouve pacientemente cada soluço, cada angustia, mesmo aquelas que seus amigos não querem ouvir e você não está afim de contar.

E já que é pra rolar um reencontro, que seja vivido da maneira correta, avisa por aí que vou preparar uma festa. A tristeza vai chamar umas amigas, e vamos encher a cara pra esquecer de tudo, ainda que isso só nos faça lembrar. Até que já não desça mais nem uma gota e a cama já não pareça tão vazia assim com uma pessoa só.

E não olha estranho assim pra minha tristeza que dessa vez ela não vai se fingir de alegria, que ninguém tem obrigação de estar feliz e a tristeza também é pra ser vivida.
As vezes viver a tristeza é tudo que a gente precisa pra ela passar.

Então me dá licença que ainda estou vivendo. 
E tira a sua felicidade do caminho que eu vou passar com a minha dor.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Paulo Aranã’s story.