Uma feira itinerante

Antiga Perimetral — “Cidade Maravilhosa” / Rio de Janeiro

A muito tempo vivo no Rio de Janeiro, mais precisamente na capital o que é bem complicado. Diariamente me pego pensando se vale apena escrever sobre tudo que vem me deixando louco nessa cidade, sejam coisas boas ou ruins, mas decidi que sim.

Um dia desses precisei viajar e peguei o trem em direção ao bairro de Madureira, para lá pegar um BRT para o aeroporto. Entrei no trem e estava cheio, pois as empresas de transporte público no Rio aumentam os intervalos deles quando a hora de pico acaba. E quando eu digo, aumentam… significa que aumentam MESMO… isso acarreta num transporte sempre lotado. Andar no trem cheio para mim já é algo normal, não me importo, mas eu me deparo com um festival de vendedores ambulantes, sem exageros a parte. Só nesta viagem, eram 6 vendedores passando por vagão, três vindo da esquerda e 3 vindo da direita vendendo variados tipos de coisas e quando os mesmos saiam do vagão mais 3 apareciam, quase que num passe de mágica, de cada lado. Não havia descanso. Não havia intervalo! Sempre tinham 6 vendedores gritando e arrastando mercadorias pelos vagões e cansando nossos ouvidos.

Até então isso já era comum nos trens do Rio, mas ultimamente está ficando pior. Nos ônibus a cada ponto, entra e sai um vendedor, as vezes vendendo os mesmos produtos que o anterior já ofereceu. O passageiro não consegue ler um livro ou ouvir uma música, mesmo que essa esteja no máximo, por que tem sempre alguém gritando no ônibus.

A conclusão a que chego é que os vendedores ambulantes invadiram o Rio de Janeiro! No Metrô, a situação não é diferente… mesmo o metrô fazendo uma campanha para que os passageiros não comprem as mercadorias vendidas por lá, os vendedores continuam a lotar os vagões… E eu juro que há 2 anos, eu imaginava que isso não seria possível! Mas isso não é o pior… O grande problema é que os passageiros compram esses produtos de procedência desconhecida…

Dias atrás, uma amiga postou em sua rede social que tinha mais de um vendedor ao mesmo tempo dentro do ônibus em que ela estava.

A situação é insuportável e tende a ficar pior, se as pessoas não se conscientizarem de que adquirir esse tipo de mercadoria nesses locais não é a melhor decisão a tomar. Sem contar que, se o transporte já é LOTADO, com mais todos esses ambulantes com suas sacolas e caixas, fica ainda pior. E não dá para deixar de lembrar das suas vozes estridentes, que embalam nossas manhãs, e que muitas vezes fazem com que cheguemos já cansados ou estressados em nossos trabalhos…

Dai-nos paciência, senhor! É meu amigo… não está fácil para ninguém!

Agradecimentos a grande amiga que me ajudou nesse texto: Paula Casagrande Garcia.

Like what you read? Give Paulo Augusto Teixeira a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.