Dias Toffoli sendo Dias Toffoli

Na votação do plenário do STF em 3 de novembro, Toffoli pediu vista no julgamento se um réu poderia ocupar a linha sucessória da presidência da república, que dizia indiretamente a Renan Calheiros, segundo na linha sucessória de Michel Temer.

Em relação à demora em retomar o julgamento, Toffoli alegava que não tinha tido acesso ao processo em questão.

Agora, o esquisitão Marco Aurélio diz que essa desculpa é esfarrapada:

“O procedimento descrito por Toffoli em suas notas oficiais não se coaduna com os tempos informatizados do Supremo.

Antigamente, bem antigamente, os autos eram físicos e o pedido de vista significava justamente ter acesso ao processo, que ficava sob a guarda do relator. Já há muito tempo, porém, os processo são eletrônicos, e estão disponíveis a todos os ministros, sem necessidade de que o relator os libere.

Se o ministro Dias Toffoli tivesse se debruçado sobre o processo no dia seguinte à sessão em que pediu vista, poderia tê-lo liberado dez ou vinte dias depois. Toffoli usou a seu favor argumentos ‘analógicos’ em tempos digitais.”

O currículo de Toffoli é bem fraco em relação aos seus pares do STF e chama mais a atenção pelas suas extensas ligações com o PT, do que por qualquer outra coisa.

Ele sempre se notabilizou por alguns votos surpreendentemente favoráveis a integrantes do PT, incluindo alguns votos a favor do José Dirceu, sendo que ele já tinha sido seu advogado antes de sua nomeação para o STF.

Nesse caso, temos uma exibição clara de favorecimento a Renan, um dos mais aguerridos aliados do PT fora do PT e um dos últimos a capitular.

Outro exemplo clássico de favorecimento foi a decisão monocrática de Toffoli para soltar, em 29 de junho de 2016, o ex-ministro Paulo Bernardo, preso na operação “Custo Brasil” e marido da senadora petista Gleise Hoffmann.

Bernardo, que não tem sequer curso superior, estaria ligado a um escândalo de R$ 100 milhões referente a operações de empréstimos consignados, durante sua gestão no ministério do Planejamento.

Sinfrônio sobre Dias Toffoli
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.