Eternas Borboletas

E após todas as mordidas,

As pernas entrelaçadas,

E as posições contorcionistas

que fazemos na cama quando brincamos

O pedaço do sonho que eu tenho comigo

vai se concretizando

E o amor aumenta a cada sorriso

E o olhar muda a cada “eu te amo” repetidos por ti

E as borboletas no estômago serão eternas

Voando

Me arrepiando

Me fazendo sorrir

Querendo você

Eternas borboletas.

Like what you read? Give Paulo Costa a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.