MAIS MÉDICOS. MENOS IDEOLOGIAS.

O problema nunca foi a divisão de valores entre o governo contratado e o profissional — A UNIMED faz isso no Rio, e você nunca falou nada.
O problema nunca foi o diploma não validado — Gente muito mais gabaritada que você diz que não precisa da validação, e você insiste nisso.
O problema nunca foi a qualidade de atendimento em saúde — os atendidos levantam as mãos aos céus pelos médicos que receberam, a primeira vez, na lonjura onde moram, e que nenhum brasileiro foi dar as caras.
O problema nunca foi a garantia dos direitos dos médicos de fora que trabalham aqui — até porque os caras sabiam do que se tratava, assinaram contrato mas nunca foram obrigados a ficar, nem pelo Brasil, nem pelos países deles.

Nem você nem o BOÇAL estão preocupados com nada disso.

O médico cubano Isoel Gomez Molina atende uma criança em Feira de Santana (BA)

O problema é… CUBA. É O FANTASMA COMUNISTA. Que come criancinha. Que quer implantar a ditadura Gayzista. Que não respeita a família. Que quer acabar com qualquer religião. Que tem pacto com o Lúcifer. Que está dentro do corpo do Lula.

O problema é essa ilusão comunista, que pega qualquer cego de ódio (o seu caso) ou qualquer iletrado vaidoso (o caso do boçal eleito) e transforma no carrasco justiçador dos bárbaros comunistas-socialistas. Essa triste ilusão que acaba te dando um falso status de anjo purificador.

Se estivéssemos falando de um contrato entre o Brasil e a Suécia, NOS MESMOS TERMOS, VOCÊ NÃO ESTARIA SE MANIFESTANDO. NEM VOCÊ NEM O BOÇAL ELEITO. Seja honesto. Se não for para mim, pelo menos para você mesmo. vai lá no espelho.

Seu jeito de pensar nos coloca (sim, EU SOU ESQUERDA, EU SOU SOCIALISTA) como sub-ignorantes, sub-politizados, sub-pessoas, pois na sua fantasia somos facilmente iludidos por um fantasma vermelho ou por um Lula qualquer.

Não, caro irmão. Não somos uma ingênua manada vermelha. Nós pensamos. Muitos de nós estudaram muito, entenderam os erros e acertos da aplicação de nossa ideologia, e por isso aprendemos cada vez mais a adaptá-la ao estágio evolutivo das sociedades.

Cuba não é um ótimo lugar para se viver. Mas olha só, o Brasil também não é. Nem os EUA, nem mesmo a Suécia. Todos ainda temos coisas a aprender. Uns mais, outros menos. E nunca foi a ideologia quem salvou pessoas. Nem a esquerda, nem a direita salva ninguém sozinha.

Estamos no mesmo barco. É difícil para você entender isso, porque você acha que somos os inimigos da sua paz. Mas assim como CUBA, nós somente pensamos diferente. Se você souber da minha história, da história de CUBA, de cada médico cubano e de cada brasileirinho atendido por eles, sua mente vai abrir. Assustadoramente.

Pensar em evoluir um programa que tem coisas a acertar é uma coisa muito digna e acertada — eu e você concordamos com isso.

Mas, demonizar um movimento de Estado que beneficiou MILHÕES DE PESSOAS, incluindo os próprios médicos, só porque você pensa diferente de mim, é pequeno demais, e com isso eu não concordo.

Proteger o nosso semelhante, que está em uma posição vulnerável, deve ser o que nos une, e não o que nos separa. Exatamente por pensarmos diferente, a solução deveria ser mais rica, e não mais pobre, como esse debate esdrúxulo estimulado pelo boçal eleito, e que nos rebaixa ao nível dele.

Te convido a conhecer o outro lado — não a concordar com ele. Quem sabe assim a gente consiga conviver melhor, e até ajudar mais a quem precisa, ao invés de brigarmos vaziamente uns com os outros.