Fluminense: o destruidor de centenários dos times da mídia.

É o juízo final, a vitória do bem contra o mau!

Deus fez barbaridade por meio da santa barriga de um jogador gaúcho transformando o centenário do rival rebelde do Fluminense Football Club, Clube de Regatas Flamengo, em sem ter nada.
Os anjos caídos, o Flamengo, que surgiu para o futebol com uma revolta e debandada do Fluminense, choram até hoje por 1995 já que tinham o chamado melhor ataque do mundo e a garantia de sucesso com muito oba-oba da globo e cia: Romário, então melhor jogador do mundo na copa de 1994, Edmundo e Sávio.

O timinho desacreditado e operário nas palavras do maior gaúcho da história do futebol brasileiro — Renato Portaluppi “Gaúcho” — vestiu as históricas sandálias da humildade do único tricolor do mundo — o resto é times de 3 cores — e numa santíssima trindade tricolor traduzindo tradição, traduzindo divindade, traduzindo o futebol da cidade abençoada por um alegre Cristo Redentor, confirmou a profética predestinação para as glórias de Nelson Rodrigues — Profeta Tricolor — antecipando o apocalipse e expurgando os anjos caídos de qualquer glória em seu centésimo ano de demoníaca revolta com uma barrigada santa.

Vale lembrar que os demônios só alcançaram títulos de potestades do mau já em demência senil aos 80 anos com o esquecimento das regras de arbitragem corretas por um juiz com nome de José Roberto Wright, será que Wright era Right? Diria que era Sinistro. Escândalos como as papeletas amarelas, apoio sem vergonha do Príncipe do mundo/ditador Roberto Marinho e de sua Vênus da maldade, Belzebu/Walter Clark e Baal/Kleber Leite.

O Clube Atlético Mineiro teve uma neurose demoníaca como a do pintor, Christoph Haizmann analisada por Sigmund Freud, que durou 32 anos; mas a contar com 5 expulsões, sendo a primeira do maior jogador da história do galo, Rei-Naldo, deveria ter durado 50 anos: 10 anos para cada vermelho injusto.

O maior roubo da história do futebol brasileiro e mundial.

O Grêmio também foi garfado na mão grande do jogador Andrade que viria a ser treinador do clube de regatas e injustiçado devido ao racismo rubro-negro sendo esquecido após ser o técnico na campanha de um título brasileiro controverso em 2009.

Título na mão grande de Andrade em 1982

O Sport foi garfado na semifinal de um campeonato brasileiro, mas em 1987 alcançou a vingança contra a geração do amarelão que nunca ganhou um título com a canarinho, a saber Zico, que amarelou e não quis disputar a final contra o leão nordestino. A imprensa brasileira exaltava Zico, mas não há dúvidas que José Roberto Wright foi maior que Zico como ídolo do Flamengo.

Sport roubado antes do Grêmio em 1982

O STF que a globo tanto diz respeitar ratificou: 1987 é do Sport. Então por quê a globo concorda com gente que sente cheirinho de hepta? Os demônios rubro negros deveriam sentir de maneira justa no máximo um cheirinho de tetra campeonato brasileiro.

STF acaba com a polêmica criada pela Flapress

O Fluminense também acabou com o centenário do Corinthians: Mais um time da mídia Sem ter nada. Outro time popularmente inventado e arquitetado pela mídia. Eternamente soberbo, pleno de boçalidade tal qual um programa humorístico dos anos 90 e 00 da MTV — Hermes e Renato — que embora paulistana adorava sacanear os habitantes da capital da direita conservadora brasileira. Nos anos 90 surgiu o Corinthians que até então só possuía em sua história jejuns em campeonatos paulistas, Rui Rei e a tirania de Sócrates e Casagrande.

Também sentiam orgulho de ter posto alguns mil no Maracanã após provocação e ajuda do folclórico e ingênuo Presidente do Fluminense Francisco Horta. Esse, embora tenha montado uma Máquina regida por Roberto Rivellino, vacilava com uma grande e solidária vontade de facilitar a vida dos rivais. Alguns diziam que Horta era um poeta da fidalguia tricolor; com o perdão do tempo que não vivi, prefiro tratá-lo como um poeta lunático, um “Fool On The Hill” que via o futebol com um lirismo inocente, por vezes fazendo a mágica da paz, da esperança e do vigor virarem feitiços contra o único Clube surgido somente com o DNA e nome de Futebol na cidade maravilhosa.

— Regatas? Camisas que os “Tiozões” barrigudos usam para fazer a mais famosa piada do bigodudo Nietzsche, a pergunta e piada infame sobre a sobremesa de eterno retorno no natal : é Pavê ou “Pacomê”? —

Em 2010 derrotamos os boçais paulistanos da marginal sem número e na festa da CBF desenhada para a festa do Corinthians com direito a papel picado alvinegro e a receber das mãos escutando piadinha de lógica nazista de Tiozão que assiste embasbacado e bovinamente a grande mídia uníssona esportiva — Tal piadinha surge com lógica semelhante à máxima truísta da propaganda criada por Joseph Goebbels — de presidente corrupto de clube igualmente corrupto, agora envolvido na lava-jato com o escândalo do Itaquerão/Lulão feito com o carimbo do 9 dedos:

— A figura espúria com cara de BR(esburacada devido à corrupção) chamada André Sanches —

o Fluminense Football Club sagrou-se campeão brasileiro de 2010 destruindo o centenário do segundo time da grande mídia.