Dicas para brasileiros na Polônia

Um guia ilustrado e sincero para expatriados em terras polacas

Ostrów Tumski, Breslávia. ©

Você é brasileiro e pretende visitar ou se mudar para a Polônia? Compilei algumas dicas baseadas na minha experiência no país, para que você se adapte com mais facilidade a esse lugar incrível. Ao longo do texto você encontrará links para informações extras e serviços úteis. Zapraszam!

[Atualizado em 06/02/2019]

Índice


Visto

Existem vários tipos de visto para a Polônia. Em suma, para tempo de permanência igual ou inferior a 90 dias a fins de turismo, não há necessidade de visto. Acima desse tempo, você precisa de uma justificativa para ficar no país. As mais comuns são trabalho e estudo.

Exemplo de Visto Nacional. ©

Independentemente da justificativa, o visto a ser solicitado no Consulado Polonês em Brasília ou Curitiba é o chamado Visto Nacional (categoria D). Ele permite que você permaneça no país durante seu período de validade, que é de no máximo 365 dias.

Para trabalhar na Polônia, você deve ser contratado por uma empresa local. Ela solicitará a permissão de trabalho (zezwolenie na pobyt czasowy i pracę) para você, processo que pode demorar de 3 a 6 meses. Durante esse prazo, munido da documentação que a empresa vai fornecer, você solicita o Visto Nacional em Brasília ou Curitiba. Já na Polônia, durante o período de validade do visto, você precisa requerer a permissão de residência (karta pobytu) na sede administrativa da província na qual você reside (Urząd Wojewódzki).

Se você quer estudar na Polônia, você pode se matricular em um curso de idiomas (em escola de línguas ou universidade) ou em um curso superior. Com a matrícula, você solicita o Visto Nacional em Brasília ou Curitiba. Em alguns casos, estudantes em regime de tempo integral podem trabalhar no país sem a necessidade de obter a permissão de trabalho. Verifique as possibilidades no site Migrant Info.

A minha experiência foi a seguinte: Comprei dois semestres do curso de polonês da Profi-lingua através do Portal Polândia, que cuidou de toda a comunicação com a escola; Requeri o visto em Curitiba e, alguns meses depois, fui contratado por uma empresa na Polônia.

Vale lembrar que, enquanto você possuir visto ou permissão de residência válidos na Polônia, é possível transitar livremente pelo Espaço Schengen.


Emprego

A área de tecnologia da informação (TI) emprega bastante na Polônia, mas em outros setores também existem muitas vagas para pessoas que têm o português como idioma fluente ou nativo.

Na Polônia, a área de TI tem uma grande demanda por profissionais. ©

Para ter uma ideia dos salários praticados na Polônia, pesquise no site Glassdoor. Busque oportunidades de trabalho através dos sites Pracuj.pl, infoPraca, GoldenLine, LinkedIn e Europe Language Jobs. Mantenha perfis completos e atualizados nesses sites, busque vagas e aguarde as entrevistas.

Quando um recrutador entrar em contato, informe de antemão se será necessário que a empresa solicite a permissão de trabalho para você. Devido ao tempo e aos esforços despendidos nesse processo, infelizmente muitas empresas não se dispõem a fazê-lo.


Câmbio

A moeda polonesa é o Złoty (PLN). Independentemente da cotação, muitos se perguntam o que vale mais a pena: Comprar Euro no Brasil e vender na Polônia, ou trocar diretamente Real por Złoty?

Cédula de 200 złotych. O plural do idioma polonês é bem bizarro. ©

Posso dizer que, quase sempre, é mais vantajoso comprar Euro no Brasil e vender na Polônia. Isso acontece porque o Real é uma moeda “exótica” para casas de câmbio polonesas (e vice-versa), fazendo com que elas normalmente não ofereçam taxas atraentes na troca direta.

Claro que tudo depende da cotação atual e das taxas de cada casa de câmbio. Se você conseguir trocar seu dinheiro com as melhores taxas possíveis, a diferença entre os dois métodos vai ser quase zero.

Dica: O site Quantor oferece tabelas de comparação de casas de câmbio em diversas cidades do país.

Um método que pode ser bastante vantajoso, caso você possua uma conta bancária na Polônia (própria ou de alguém de confiança), é transferir o dinheiro via TransferWise. Esse serviço oferece as melhores taxas do mercado, e o dinheiro é creditado na conta de destino em apenas um dia útil após o envio.

Outra dúvida frequente é: Pode-se usar Euro na Polônia? O fato é que pouquíssimos lugares aceitam moedas estrangeiras, portanto é melhor não contar com essa possibilidade.


Qualidade de vida

A noção de qualidade de vida varia de acordo com os interesses e prioridades de cada pessoa. Por isso, vou abordar diferentes tópicos e fazer comparações com o Brasil, para que você tire suas conclusões.

Na Polônia, os caixas eletrônicos ficam na rua, desprotegidos. ©

Para mim, a questão mais importante é a violência. De acordo com o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, em 2017, a taxa de mortes violentas no Brasil foi de 30,8 por 100 mil habitantes. É justo citar que esse número varia bastante entre os Estados da Federação: vai de 10,7 em São Paulo até 68,0 no Rio Grande do Norte.

Na Polônia, essa taxa é de apenas 0,67. Mais do que números, a sensação de segurança é incomparável. A paranoia automática do brasileiro de olhar para os lados ao tirar a carteira do bolso perde o sentido, mesmo em lugares que os poloneses consideram “perigosos”. Obviamente, pessoas mal-intencionadas existem em qualquer lugar do mundo; A diferença é a quantidade, além dos métodos que elas usam para alcançar seus objetivos. Na Polônia, é mais fácil você perder seu dinheiro em um golpe do que em um assalto à mão armada. É importante mencionar que a violência no país está, na maioria das vezes, ligada a torcidas organizadas de futebol.

Outro fator importante é a qualidade dos produtos. Provavelmente você já ouviu alguém que morou ou viajou para fora do Brasil dizer que, no exterior, certos alimentos são mais saborosos ou que os remédios são mais eficientes. Isso acontece porque, graças à combinação de bagunça tributária e infraestrutura logística ineficiente, muitas indústrias brasileiras acabam sacrificando a qualidade dos produtos em favor do preço acessível. Sabendo disso, fica fácil concluir que a maioria dos artigos disponíveis na Polônia possui qualidade superior aos vendidos no Brasil.

Algo que, para muitas pessoas, influencia na percepção de qualidade de vida, é a abundância de áreas verdes em todas as cidades polonesas. Além disso, a densidade populacional das maiores cidades do país é pequena em comparação aos maiores centros urbanos brasileiros.

Parque Tysiąclecia, Cracóvia. ©

Não quero advogar que a Polônia é o país perfeito, afinal, todo lugar do mundo tem seus prós e contras, e cada pessoa tem seu próprio repertório de experiências. Mas, na minha opinião, morar no país é um grande passo à frente em relação ao Brasil em termos de qualidade de vida.


Custo de vida

A Polônia é conhecida por ser um país barato. De fato, em relação à Europa Ocidental, é bem mais barato. Em comparação ao Brasil, graças à recente desvalorização do Real, o cenário não é mais tão vantajoso. De qualquer forma, no final das contas, o custo de vida depende muito da cidade onde se mora e dos hábitos de cada pessoa.

O supermercado Biedronka é sinônimo de economia. ©

Em relação a compras de supermercado, geralmente paga-se menos (e tem-se melhor qualidade) do que no Brasil. Dê uma passeada na loja online do Tesco para ter uma ideia dos preços praticados no país, mas tenha em mente que ele não é o mercado mais barato (o campeão nesse quesito é o Biedronka).

Sobre valores de aluguel, em média, um apartamento de aproximadamente 30 metros quadrados pode custar de 1100 a 1800 PLN por mês. Já o custo mensal de um quarto em residência compartilhada pode variar entre 600 e 900 PLN. Esses valores mudam muito de cidade para cidade, então, para ter um panorama mais preciso, pesquise anúncios de imóveis no Otodom, Gumtree, ou OLX.

Generalizando um pouco, já vi estudantes que vivem normalmente com menos de 1200 PLN mensais. Também já ouvi muitas pessoas afirmando que um salário líquido de 4000 PLN (para uma pessoa) permite uma vida sem muitas restrições.

Para comparações mais aprofundadas dos custos de lazer, transporte, contas domésticas, entre outros itens, pesquise no site Expatistan.


Moradia

Aluguel de imóveis é um assunto cheio de pormenores, por isso é essencial aprender a identificar potenciais ciladas e ter a ajuda de um nativo sempre que possível. O artigo “Beware these 12 traps when apartment hunting in Poland” trata de vários pontos importantes nesse tema.

Na Polônia, é muito comum que o inquilino lide diretamente com o proprietário, sem o intermédio de imobiliárias. Além disso, a burocracia é muito pequena, se não inexistente. Muitas vezes bater um papo, mostrar o passaporte e pagar a caução são suficientes para fechar o contrato.

Além do aluguel de imóvel, a opção de alugar um quarto em residência compartilhada é muito popular, graças ao baixo valor.

A maioria dos imóveis disponíveis para aluguel é mobiliada. ©

Os maiores sites de anúncios de imóveis e quartos para aluguel são Otodom, Gumtree e OLX. No Facebook há muitos grupos especializados nesse tipo de oferta. Para encontrá-los, pesquise por “wynajem [nome da cidade]”.

Ao analisar os anúncios, é importante observar o seguinte:

  • A sala de estar conta como quarto (“apartamento de dois quartos” significa “um quarto e uma sala”);
  • Observe se o valor das contas domésticas mensais já está incluído no preço do aluguel;
  • Verifique se a oferta é de proprietário (indicado como właściciel ou osoba prywatna) ou de imobiliária (agencja, biuro ou deweloper). Lidando diretamente com o proprietário você evita o pagamento das altas taxas cobradas pelas imobiliárias;
  • A grande maioria dos imóveis é mobiliada. Confirme essa informação nas fotos e na descrição do anúncio;
  • O Google Tradutor é seu amigo.

Se você prefere procurar por moradia in loco, uma solução é alugar algo temporário pelo Airbnb e fazer a mudança definitiva quando encontrar o lugar ideal.


Burocracias e obrigações legais

O processo de mudança para a Polônia requer algumas medidas burocráticas. Se você pretende morar por algum tempo no país, fique atento às obrigações legais e recomendações para brasileiros no exterior.

Ao alugar uma moradia na Polônia, saiba que é recomendado registrar seu endereço na prefeitura (Urząd Miasta) em até quatro dias após o início da vigência do contrato de locação. Se você possui cidadania europeia, esse prazo aumenta para 30 dias.

Para fazer o registro, siga os seguintes passos:

  1. Acesse a página do site da prefeitura que detalha o processo de cadastro de estadia temporária de estrangeiros, pesquisando no Google por “zameldowanie na pobyt czasowy cudzoziemców [nome da cidade]”;
  2. Nessa página, baixe o formulário de registro de residência temporária (procure por “zgłoszenie pobytu czasowego”);
  3. Imprima, preencha e colete a assinatura do proprietário do imóvel (ganhe tempo levando o formulário preenchido no momento da assinatura do contrato de locação);
  4. Vá à prefeitura em posse do formulário, passaporte, contrato de locação e visto (ou karta pobytu).

O processo é rápido e gratuito, mas caso você queira um comprovante do registro, é necessário pagar uma taxa de 17 PLN. Ao final, você recebe automaticamente o PESEL (equivalente polonês ao CPF).

Prefeitura de Szczecin. ©

Uma recomendação para todos os brasileiros, independentemente do tempo que passarão em solo polonês, é a realização da matrícula consular. Ela é um registro do cidadão junto à Embaixada do Brasil em Varsóvia, para que os serviços consulares (como expedição de documentos e providências em situações de emergência) sejam prestados com mais agilidade. Também é recomendável ter sempre à mão as informações de contato do Setor Consular da Embaixada, para o caso de qualquer eventualidade.

Brasileiros que possuem domicílio eleitoral no exterior só votam para Presidente. ©

Caso você queira exercer seu direito/dever do voto enquanto estiver na Polônia, é necessário transferir seu domicílio eleitoral para o país. Uma vez que a transferência seja efetuada, o exercício do voto é exigido apenas nas eleições para Presidente da República.

Outra obrigação de todo cidadão brasileiro residente no exterior é fazer a Comunicação de Saída Definitiva do País e a Declaração de Saída Definitiva do País. Ambos os processos são detalhados nos artigos “Comunicação de Saída Definitiva do País: o que é isto?” e “Declaração de Saída Definitiva: que documento é este?”.


Clima

Regra de ouro: Polônia não é Sibéria! O país tem fama de ser muito frio, mas isso só é verdade entre dezembro e março — período popularmente conhecido como “inverno”. No restante do ano as temperaturas são amenas, com verões quentes. Para obter informações detalhadas sobre o clima do lugar que você vai visitar ou morar, pesquise no verbete da cidade na Wikipédia.

Se você é de Cuiabá, Rio de Janeiro, ou de qualquer outra cidade iluminada por dois sóis, não se preocupe: Você vai se acostumar ao clima em pouco tempo. Shorts e camiseta sob 20°C será uma realidade em poucos meses.

Na Polônia, cada estação do ano traz consigo peculiaridades que influenciam o comportamento social, saúde, dinâmica de estabelecimentos comerciais e disponibilidade de atrações turísticas. Por isso, é bom saber de antemão o que esperar de cada uma delas.

Verão: Entre junho e agosto o clima é de moderado a quente (podendo chegar próximo de 40°C em alguns dias). As ruas, praças e parques estão sempre cheios. Devido à latitude do país, o sol nasce bem cedo nessa época do ano (por volta das 4 da manhã), o que pode dar uma bagunçada no relógio biológico. Em consequência, o céu só escurece pouco antes das 22h.

Píer em Sopot. As praias do norte do país são muito procuradas no verão. ©

Outono: Para mim, é a época do ano mais bonita. A vegetação muda de cor ao longo da estação, indo do amarelo (chamado golden autumn) ao laranja e vermelho. Temperaturas amenas em setembro e outubro, caindo bastante em novembro. A duração dos dias e das noites é semelhante, mais familiar aos horários brasileiros.

Outono em Szczecin. É fácil admirar as belezas da estação graças à abundância de parques em todas as cidades do país. ©

Inverno: Via de regra, as primeiras semanas de janeiro são as de frio mais intenso. Mas não se preocupe (muito): Todo lugar fechado (residências, prédios, estabelecimentos comerciais, etc.) ativa o sistema de calefação durante os meses mais gelados. Os dias são curtos, com o sol nascendo depois das 7 da manhã e se pondo antes das 16h. Neve? Depende muito da região e do ano. Em uma mesma cidade, tem inverno que quase não neva, e tem inverno que neva o tempo todo. É meio aleatório, mesmo.

Se você não está acostumado a temperaturas abaixo de zero, saiba que, para se proteger corretamente do frio, é muito mais importante verificar a sensação térmica do que a temperatura real antes de sair de casa.

Como muitas casas e prédios ainda possuem sistemas de aquecimento alimentados a carvão e lenha, a poluição atmosférica acaba sendo um efeito colateral do frio polonês. Devido à grande quantidade de fuligem expelida, algumas cidades do país figuram entre as mais poluídas do mundo durante os períodos mais gelados do ano. Para não ser pego de surpresa, aplicativos gratuitos como Plume Air Report e AirVisual permitem o monitoramento da qualidade do ar em tempo real em quase todo o território polonês.

Visitar as montanhas de Zakopane durante o inverno é um programa popular entre nativos e turistas. ©

Primavera: Temperaturas amenas na maior parte da estação. Como no outono, a duração dos dias e das noites é semelhante. As praças e ruas são decoradas com flores, os restaurantes e bares colocam mesas nas calçadas e a vegetação toma cor e forma novamente.

Até mesmo paisagens tipicamente urbanas, como a da capital Varsóvia, ganham vida com a chegada da primavera. ©

Esse é o legal da Polônia (e de todos os lugares com estações do ano bem definidas): Sente-se o tempo passar. Você valoriza atividades que só podem ser feitas em um determinado período do ano, aproveita as peculiaridades de cada época e conta os dias para a chegada da sua estação preferida.


Fuso horário

A Polônia adota o fuso horário CET (Central European Time, UTC+1), o qual está quatro horas à frente do horário oficial de Brasília. Mas, na prática, essa diferença só é observada durante uma pequena parte do ano, graças aos horários de verão dos dois países.

Fusos horários na Europa. ©

Durante o horário de verão polonês (de março a outubro), a diferença sobe para cinco horas. Quando o Brasil altera seus relógios (geralmente de outubro a fevereiro), a diferença cai para três horas. Acompanhe as datas das mudanças de horário na Polônia e no Brasil pelo site timeanddate.com.


Idioma

O idioma oficial da Polônia é o… polonês! É, reconhecidamente, uma das línguas mais difíceis do mundo, junto com finlandês, húngaro e klingon.

Pequena parte da coleção “Introdução aos Aspectos Básicos do Idioma Polonês”. ©

Os poloneses apreciam muito qualquer esforço de um estrangeiro para falar sua língua, pois eles sabem que não é uma tarefa fácil, e demonstra simpatia pelo povo e pela cultura. Na Polônia existem muitas escolas de idiomas que ensinam polonês para estrangeiros, além de uma grande oferta de professores particulares (alguns, inclusive, falam português).

Se você precisa de ajuda para começar a estudar, recomendo entrar em contato com o Portal Polândia. Eles contam com uma grande rede de contatos de profissionais na Polônia e no Brasil, e oferecem auxílio na escolha e na matrícula do curso de idiomas.

É possível se virar na Polônia só com o inglês? O fato é que a maioria dos jovens poloneses fala o idioma (os mais velhos geralmente falam alemão e/ou russo) e, nas áreas turísticas, quase todos os profissionais estão preparados para se comunicar em inglês. Mas lembre-se: Você está na Polônia, então ninguém é obrigado a falar qualquer outro idioma senão o polonês. Se o fizerem, considere como uma gentileza.

De qualquer forma, se você pretende morar em um país estrangeiro, acredito que aprender o idioma local seja uma questão de respeito. Powodzenia!


Telefonia celular

Se você está de passagem pela Polônia e precisa de um número móvel local, as operadoras costumam oferecer contratos de curto prazo (até um mês) com pacote de dados incluso. Procure os pontos de atendimento das maiores operadoras (Orange, Play, Plus e T-Mobile), presentes na maioria dos shopping centers e em lojas espalhadas pela cidade.

Usufrua da excelente cobertura 4G na Polônia com seu celular de última geração. ©

Se você mora no país, é importante saber que as operadoras costumam apresentar algumas barreiras para estrangeiros que tentam contratar planos pós-pagos, como a obrigatoriedade de ter o PESEL. Para planos pré-pagos, não há restrições.

Uma informação interessante é que, desde junho de 2017, a cobrança de roaming dentro da União Europeia foi extinta. Ou seja, você pode utilizar seu plano polonês de voz, mensagens e dados em qualquer país do bloco (além de Islândia, Liechtenstein e Noruega) sem cobranças adicionais.

Sobre a qualidade do serviço, assim como no Brasil, cada pessoa pode julgar de acordo com suas próprias experiências. De modo geral, as operadoras Orange e T-Mobile têm as melhores coberturas, mas são um pouco mais caras. A Play não oferece uma cobertura tão ampla, mas o preço é menor. Já a Plus não tem uma boa reputação em relação a serviço e atendimento.


Bancos

Uma vez que você esteja morando na Polônia, é natural que você precise abrir uma conta bancária. Os bancos ING e Millennium oferecem burocracia zero para estrangeiros e não cobram taxas de manutenção. Para abrir sua conta, basta ir a qualquer agência munido do seu passaporte.

Os sistemas de internet banking do ING e do Millennium também estão disponíveis em inglês. ©

Na Polônia, as contas não são vinculadas a uma agência bancária específica. Portanto, você pode administrar sua conta em qualquer agência e, dependendo da necessidade, até mesmo em pontos de atendimento localizados em alguns shopping centers. Muitas coisas também podem ser resolvidas através do internet banking e do aplicativo do banco, sem a necessidade de validar o requerimento em uma agência.

Se você precisa transferir dinheiro do Brasil para a Polônia (ou vice-versa), independentemente da quantia, a opção mais vantajosa é o TransferWise. Esse serviço oferece as melhores taxas do mercado, e o dinheiro é creditado na conta bancária de destino em apenas um dia útil após o envio.


Diferenças culturais

Este é um assunto delicado e complexo, portanto vou me ater a aspectos básicos e recorrer a alguns estereótipos. No final das contas, tudo vai depender dos grupos de pessoas com as quais você vai conviver.

♪ Nananana… Can’t touch this! ©

Algo que costuma causar estranheza em brasileiros é a noção de espaço pessoal dos poloneses. No Brasil, mesmo desconhecidos costumam se tocar e se cumprimentar com beijos e abraços, o que é normal em países latinos, mas que pode causar desconforto e constrangimento na Polônia.

Outra característica geral dos poloneses é o respeito. As pessoas não se importam com a opinião alheia como no Brasil, até porque elas mesmas não fazem os outros se sentirem desconfortáveis por causa do seu próprio julgamento. Consequentemente, todos são mais livres para serem si mesmos. Roupas que atrairiam comentários desrespeitosos, ou atitudes que seriam ridicularizadas no Brasil, normalmente são ignoradas na Polônia. Duvida?

Mais uma qualidade presente não só na cultura polonesa, mas também na de outros povos europeus, é a sinceridade. Não se sinta ofendido se alguém falar o que pensa, sem filtros ou papas na língua. Um exemplo comum é a famosa desculpa. No Brasil, se você não quer aceitar um convite, é normal inventar uma história para fazer com que a recusa pareça justificável. Na Polônia, se você não quer sair com amigos porque prefere ficar em casa assistindo TV, você simplesmente fala a verdade. E, ao contrário do que aconteceria no Brasil, você provavelmente será convidado novamente no futuro.

Uma maneira de se adaptar mais rapidamente a diferenças culturais é analisar seus próprios costumes. Recomendo dois textos que abordam aspectos marcantes da cultura brasileira e ajudam a entender seus reflexos sociais: “Da relação entre limpar seu próprio banheiro e abrir sem medo um Mac Book no ônibus”, de Daniel Duclos e “Uma Carta Aberta ao Brasil”, de Mark Manson.

Por fim, lembre-se de que, nesse tema, não há certo ou errado. Ter a mente aberta e respeitar diferenças culturais são requisitos básicos para ser bem aceito em um país estrangeiro. Não tente impor seus costumes e maneira de pensar na casa dos outros. É o que os nossos pais nos ensinam (ou deveriam ter ensinado): Se você está na casa do seu amigo, respeite as regras dele.


Comida

Na primeira vez que estive na Polônia, a turismo, confesso que achei a comida local um pouco sem sabor. Mais tarde descobri o motivo: No Brasil, estamos acostumados a usar muito mais sal nos temperos. De volta ao país, dessa vez para morar, me acostumei rapidamente à quantidade de sal e sinto o paladar dos alimentos com mais intensidade.

Também há uma diferença importante na base da alimentação do dia a dia: Enquanto no Brasil é muito comum consumir grãos (arroz e feijão), na Polônia come-se muita batata. Além disso, a carne de porco é mais comum do que a de boi (que é mais cara e tem menos oferta).

Em todo caso, nos supermercados poloneses não faltam opções para satisfazer todas as preferências culinárias. Naturalmente, alguns produtos são mais escassos (ou até inexistentes) em relação ao Brasil, mas pequenas adaptações costumam resolver.

Sobre as comidas típicas da Polônia, elas são muitas! Seguem abaixo algumas das mais famosas. Smacznego!

Pierogi: São um tipo de pastel cozido, normalmente recheados com repolho, carne, queijo ou frutas.

Pierogi, o carro-chefe da culinária polonesa. ©

Żurek: Sopa à base de centeio, complementada com linguiça, toucinho frito, ovo cozido e batata.

Żurek, deliciosa sopa muito comum em países eslavos. ©

Bigos: Prato preparado com repolho e carnes. Pode ser temperado com pimenta, louro, malaguetas e vinho branco. Normalmente é acompanhado de pão de centeio e batata.

Bigos, um dos pratos mais tradicionais da Polônia. ©

Kotlet schabowy: Corte generoso de carne de porco à milanesa, geralmente servido com salada e batata.

Você pode saborear o kotlet schabowy em qualquer restaurante de comida típica do país. ©


Bebida!

A Polônia é conhecida pela excelência de suas vodcas. De fato, essa é uma questão de orgulho nacional. O interessante é que, além da variedade tradicional, há diversos sabores, como cereja, ameixa, avelã, limão, framboesa, laranja, marmelo, toranja (grapefruit), entre outros.

Vodca sabor cereja (wiśniówka), minha preferida. ©

Além disso, há um destilado disponível no mercado chamado Spirytus, normalmente utilizado na produção de vodca artesanal, que possui 96% de teor alcoólico. Por mais que pareça tentador experimentar a bebida, algumas pessoas já morreram ao fazê-lo.

Se você gosta de cerveja, as marcas mais populares da Polônia (Żywiec, Tyskie, Warka, entre outras) são de qualidade superior às marcas comuns brasileiras (Brahma, Skol, Antarctica, etc). Também existe uma grande variedade de cervejas que seriam consideradas premium no Brasil a preços acessíveis (a partir de 3,50 PLN pela garrafa de 500 ml), amplamente disponíveis em mercados e lojas de bebidas.

Informação importante: Na Polônia é proibido consumir bebida alcoólica em locais públicos. Portanto, aquela cervejinha no banco da praça pode render uma multa de, no mínimo, 100 PLN.


Mobilidade urbana

As opções de transporte urbano na Polônia geralmente atendem muito bem à demanda. Nas maiores cidades, além do ônibus, você também pode se locomover por bonde (tramwaj). Em Varsóvia, também há o metrô.

Bonde em Cracóvia. ©

Independentemente do meio de transporte utilizado, você precisa saber qual rota seguir. Como o Google Maps mostra opções de transporte público em poucas cidades do país, é importante ter o Jakdojade sempre à mão. O serviço pode ser acessado pelo site e pelos seus aplicativos gratuitos para Android e iOS.

As passagens podem ser compradas em máquinas automáticas (dentro dos veículos ou espalhadas pela cidade), em quiosques próximo às paradas, ou, dependendo da cidade, em aplicativos como Jakdojade e moBiLET. O sistema de passagens na Polônia funciona por confiança: Você compra o tíquete e o valida assim que entrar no veículo. Caso um inspetor peça sua passagem e você não a possua (ou não a tenha validado), você será multado. Em Varsóvia, a multa chega a 266 PLN.

Máquina de validar passagens no transporte público. ©

Se você utiliza o transporte público frequentemente, considere adquirir bilhetes de longo prazo. Muitas cidades oferecem opções que vão de 24 horas até 1 ano, permitindo a utilização ilimitada do sistema de transporte a preços atraentes. Pesquise no Google por “ticket types [nome da cidade]” para encontrar as opções disponíveis.

Uma alternativa bem popular de deslocamento é a bicicleta. Existem muitas ciclovias e, mesmo onde elas faltam, bicicletas e carros dividem espaço harmoniosamente no trânsito. Além disso, em muitas cidades, você pode usufruir do sistema Nextbike: Após o pagamento da taxa inicial de 10 PLN, você pode utilizar as bicicletas gratuitamente por períodos de até 20 minutos. Caso você exceda esse tempo, uma pequena taxa é debitada do seu saldo, a qual varia de cidade para cidade. Esse sistema fica disponível de março a novembro.

Bicicletas da Nextbike em Kalisz. ©

Além das bicicletas, serviços de compartilhamento de scooters elétricas (como Lime e blinkee), aplicativos de transporte (como Uber e Taxify) e programas de car sharing estão presentes em um grande número de cidades polonesas.


Viagens

Existem quatro serviços principais para viajar pela Polônia (e para países próximos): Ônibus, trem, avião e BlaBlaCar. Dependendo do itinerário, certas opções são mais adequadas do que outras, graças a particularidades da infraestrutura rodoviária do país.

Por exemplo: O trajeto entre Breslávia e Posnânia, cidades importantes separadas por apenas 160 quilômetros, não possui autoestrada. Isso faz com que a viagem de ônibus ou carro leve mais de três horas; Já de trem, o mesmo percurso pode ser realizado em aproximadamente duas horas. Por outro lado, a rota de 340 quilômetros entre Breslávia e Varsóvia é servida por uma autoestrada. De trem regular, o tempo de viagem varia de 5 a 7 horas; De carro, você chega lá em menos de quatro horas.

No site GoEuro você pode pesquisar todas as rotas disponíveis para o seu destino e planejar melhor sua viagem. E a página Fly4free posta regularmente promoções de passagens e pacotes turísticos.

Compartilho abaixo as minhas experiências e opiniões, coletadas ao longo de milhares de quilômetros viajados pela Polônia.

Ônibus: Geralmente é o meio de transporte mais barato, mas, em viagens longas, deixa um pouco a desejar no quesito conforto. Os veículos são equipados com wi-fi grátis, mas a conexão não costuma ser muito estável. As empresas mais populares são FlixBus (antiga PolskiBus) e Neobus, que oferecem passagens a preços acessíveis, principalmente se compradas com antecedência. Para destinos internacionais, confira também Lux Express, Ecolines e Eurobus. Na Polônia, não existem guichês para compra de passagem nas rodoviárias. Você compra online, ou direto com o motorista (caso haja lugares vagos).

FlixBus adquiriu recentemente a empresa PolskiBus. ©

Trem: Na maioria dos casos, é o meu transporte preferido. As passagens geralmente são um pouco mais caras do que as de ônibus, mas tem poltronas mais confortáveis, bastante espaço para as pernas, dois banheiros em cada vagão, risco quase zero de acidente, além da possibilidade de fazer uma caminhada pelo trem e admirar a paisagem quando estiver entediado. Enfim, uma viagem bem mais tranquila.

Trem PKP InterCity. ©

Na Polônia existe uma variedade de tipos de trens. Os mais comuns são: Regionais (REGIO), Twoje Linie Kolejowe (TLK), InterCity (IC), Express InterCity (EIC) e Express InterCity Premium (EIP), todos operados pela empresa Polskie Koleje Państwowe (PKP). Os trens REGIO são mais simples, baratos e normalmente operam em rotas curtas até cidades pequenas. TLK e IC têm bons preços e são confortáveis (os IC são mais modernos), servindo quase a totalidade dos trajetos entre cidades médias e grandes. Já os EIC e EIP conectam as principais cidades do país com trens de alta velocidade, super confortáveis e com wi-fi a bordo, sendo, naturalmente, as opções mais caras.

As passagens podem ser adquiridas no site da PKP ou nos guichês das estações. Não há necessidade de validar a passagem, mas você precisa apresentá-la ao inspetor quando for solicitado. No caso de compra online, basta mostrar o código de barras na tela do smartphone (exceto em viagens internacionais e em camas, onde você deve levar a passagem impressa).

É importante saber que, nos trens citados acima (exceto REGIO), existem diferentes opções de passagem. As mais comuns são: Assento normal, assento em compartimento e cama.

O assento normal fica em um vagão com configuração parecida com a dos ônibus. É uma opção muito confortável, levando em consideração o tamanho da poltrona e o espaço para as pernas.

Assentos em um trem Pendolino (EIP). ©

O assento em compartimento fica em um espaço fechado com 6 ou 8 poltronas. Talvez seja uma boa opção se você for viajar com amigos. Em algumas rotas noturnas, essa é a única opção de assento oferecida.

Compartimento de primeira classe. ©

Finalmente, em viagens noturnas, você pode adquirir uma cama em um compartimento couchette ou sleeper. A diferença básica é que a opção couchette é em um compartimento com 6 camas, enquanto que na sleeper são apenas 3 camas, que são mais confortáveis.

Compartimento sleeper©

Avião: Aqui, não tem segredo: Acompanhe as promoções de passagens aéreas, que costumam valer muito a pena. Já fiz o trajeto Breslávia–Varsóvia por 19 PLN, graças a uma promoção da Ryanair.

BlaBlaCar: Esse serviço aterrissou recentemente no Brasil, mas, se você ainda não conhece, veja aqui como funciona. Cada motorista define seu preço para a viagem, que costuma ser parecido com o valor da passagem de ônibus ou trem para o mesmo percurso. Além de ser uma alternativa confortável, costuma ser a mais rápida em trajetos servidos por autoestradas e a mais conveniente entre cidades que não possuem conexão direta por outros meios de transporte. Outra vantagem é que, quase sempre, há horários alternativos e opções de última hora.


Curiosidades

Algumas informações aleatórias sobre a Polônia:

  • Tanto motoristas quanto pedestres costumam respeitar a sinalização de trânsito. Fique atento: Você pode ser multado se atravessar a rua sob sinal vermelho ou fora da faixa de pedestres.
  • É muito mais comum encontrar pessoas idosas trabalhando na Polônia do que no Brasil.
  • O sistema de numeração de apartamentos é, geralmente, sequencial, sem indicação de andar. Por isso, é normal informar, além do número, o andar do apartamento a visitantes e entregadores.
  • Alguns notáveis poloneses conhecidos no Brasil são: o clérigo Karol Józef Wojtyła (papa João Paulo II), a cientista Maria Salomea Skłodowska (Marie Curie), o músico Fryderyk Franciszek Chopin (Frédéric Chopin), o astrônomo Mikołaj Kopernik (Nicolau Copérnico) e… a modelo Zofia Burk (da caixa dos palitos Gina).
  • Os poloneses não costumam ver muito sentido nas piadinhas de cunho sexual que são muito populares entre brasileiros.
  • Chuj é um palavrão em polonês. Por uma infeliz coincidência, a pronúncia é idêntica à do nome brasileiro Rui. Se esse é seu nome (e se você se importa com isso), tente pronunciar o erre duro (como em “era”) quando for se apresentar aos seus novos amigos poloneses. De nada.
  • Pela minha experiência, encomendas econômicas enviadas do Brasil para a Polônia chegam em, aproximadamente, uma semana. Já o caminho inverso pode demorar de 3 semanas a 4 meses, graças à incrível falta de organização da alfândega brasileira.
  • Muitos restaurantes self-service e sorveterias oferecem descontos de 50% durante a última hora de funcionamento.
  • Produtos de marcas “genéricas”, mais baratos, muitas vezes têm qualidade semelhante (ou até superior) a artigos de marcas consagradas.
  • Preconceito contra homossexuais e pessoas com pele escura é uma realidade no país, mas isso raramente se traduz em episódios violentos. Na prática, há mais preconceito no Brasil do que na Polônia.



Quer saber mais?

Se você ainda tem dúvidas, lembre-se de que os grupos de expatriados no Facebook também são uma grande fonte de informação. Para encontrá-los, pesquise por “brasileiros em [nome da cidade]”, “[nome da cidade] expats”, ou “foreigners in [nome da cidade]”.

Se as informações deste texto foram úteis para você, considere ajudar este humilde autor (e ganhar descontos!) cadastrando-se nos serviços abaixo, os quais são de grande utilidade para viajantes e expatriados. Obrigado! ❤