As Manifestações do dia 04/12/16

Seja um Black Bloc, ou um revoltado no Starbucks, é bem possível que, desde meados de 2013, você tenha sido convidado e até se empolgado em colar em diversas manifestações.

Passe Livre, Não Vai Ter Copa, Marcha da Maconha, Marcha da Família com Deus pela Liberdade, Sim ao Aborto, Não ao Aborto, Fim da Corrupção, Reforma Política Já, a lista é longa e podemos passar a noite elencando temas. Mas é de conhecimento público que, ao menos em teoria, as mais efetivas foram aquelas que pediram o Impeachment de Dilma Rousseff.

As PMs das cidades participantes estimam que, em média, 1.5 milhão de pessoas foram às ruas em cada uma das 5 manifestações ocorridas entre março de 2015 e março de 2016, enquanto que os organizadores quase que dobram esse número: 2.8 milhões/dia.

Fonte: G1 (http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/03/manifestacoes-contra-governo-dilma-ocorrem-pelo-pais.html)

Independente da fonte, tais números são difíceis de serem encontrados e, possivelmente, não veremos tanta movimentação em torno de um único assunto como vimos ao longo de 2015 e início de 2016.

Em determinado ponto, notei como os eventos de Facebook, aparentemente inofensivos e inúteis, podem nos dizer muito sobre o que está por vir. Exemplo disso, é que com esses dados pudemos prever como seriam as manifestações de dezembro/15 antes mesmo de elas ocorrerem (vejam a seção “Termômetro”).

Tal previsão foi possível graças a uma metodologia de coleta e análise de dados padronizada e fácil de ser replicada. Abaixo mostro a tabela com os principais números coletados em eventos e manifestações favoráveis à saída de Dilma, sendo os mais importantes: número de confirmados e pessoas nas ruas segundo a PM. Percebam como eles são diretamente proporcionais e como isso foi, e pode ser, usado para dar uma de Mãe Dinah. Além disso, vejam que a quantidade de eventos e cidades confirmadas, podem ter pouca ou nenhuma influência sobre o número de pessoas nas ruas:

Fonte: Coleta de Dados Realizada pelo Autor do Artigo

Ou seja, além de ‘burburinho’ nas redes, fatores externos têm influência no comportamento das pessoas. Por exemplo, o dia 13/12/2015 foi chuvoso, o que historicamente afasta o público das ruas, e mesmo sendo a primeira manifestação após o ‘sim’ dado por Eduardo Cunha ao pedido de impeachment, tratava-se da quarta manifestação no ano, tudo tem limite, né?

Novo Governo, Novas Insatisfações

Eis que começam a pipocar no Facebook novamente relacionados à política. Isso porque, nos últimos dias, em meio a tragédia ocorrida em Medellín e a discussão sobre o aborto, muito tem se falado sobre como as 10 Medidas Contra a Corrupção foram transformadas em um Frankestein pela Câmara dos Deputados. Entre outras críticas, diz-se que as alterações ao texto original e emendas aprovadas pelos parlamentares darão fim à Lava-Jato e, assim, fortalecerão ainda mais os políticos corruptos.

Era o necessário para que páginas como o Movimento Brasil Livre (MBL), Vem Pra Rua e Movimento Contra a Corrupção começassem a convocar seus seguidores para tomarem as ruas no próximo dia 04 de dezembro. Porém, diferentemente do que ocorreu nos protestos Pró-Impeachment, as pautas não estão coesas e, pior, são mais difíceis de entender.

No início do ano era claro que as pessoas ficariam completamente satisfeitas com a queda da presidenta, no fim dele, não está claro o que elas querem. Alguns pedem o “Não à Anistia ao Caixa 2” (algo que nem está mais em discussão), outros a “Saída de Renan”, muitos a “Defesa da Lava-Jato”, poucos bradam “STF, chega de moleza” (seja lá o que isso signifique) e há ainda quem esteja planejando sair às ruas para homenagear a Chapecoense. Como ocorreu em 2013, e em tantas outras manifestações, os protestos marcados para amanhã (04) estão sem foco e não devem ter relevância alguma.

Aliado a esse cenário de incertezas, soma-se a baixa movimentação pelo Facebook, ao todo, consegui encontrar 21 eventos de destaque, sendo o maior deles responsável por 89% do total de confirmados e convidados e nenhum organizado pelo MBL. De modo a facilitar a visualização dessa previsão, deixei os dados dessas manifestações, coletados às 05:22 de hoje, na mesma tabela mostrada acima:

Fonte: Coleta de Dados Realizada pelo Autor do Artigo

Por último, é importante destacar que as festividades de fim de ano, viagens de férias e até o Carnaval afastam o foco das pessoas para assuntos políticos e econômicos. Além disso, os últimos anos vêm sendo intensos para o “afegão médio”, o qual, como as últimas eleições mostraram, está literalmente cagando e andando para as discussões cheias fashionismos, ele quer soluções, alguém que fale diretamente com ele, o que pode não incluir andar pela Avenida Paulista em seu domingo de folga, sob chuva, ao lado de gente que não faz ideia do motivo pelo qual saiu de casa.

A esperança é que essas primeiras movimentações, aliadas a uma cobertura e apoio da mídia, possam reacender a vontade dessas pessoas em se informar e saírem às ruas novamente.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.