Não Me É Estranho #1

27 de Abril, 4 horas da tarde, ônibus à caminho da estação Ana Rosa.

Ana sorri pra Mari, enquanto conversam dentro do ônibus.

Ana nunca tinha visto Mari daquele jeito. Apesar de serem amigas há muito tempo, Ana nunca tinha sentido algo tão forte como naquele momento. De repente, tudo tinha mudado entre ela e Mari: o jeito que ela falava, a graça de suas piadas, até a textura da pele dela, que parecia macia mas não tanto, no ponto certo, a cor dos olhos dela: um castanho claro nas redondezas e no centro uma cor de chocolate amargo, doce favorito de Ana.

Cada detalhe virou mais do que um detalhe, e enquanto ela falava, Ana percebia que não estava mais prestando atenção no assunto, só tinha olhar para cada detalhezinho no rosto de Mari, como aquelas 3 pintinhas que ela tem na bochecha formando um triângulo perfeito.

Apesar de aquilo tudo ser novidade para Ana, a sensação não era estranha, era muito boa, uma sensação de descoberta, uma sensação de liberdade.

A verdade é que Ana não sabia o que seria nos próximos dias, mas a sensação de ser verdadeira ao que sente, já era uma vitória. Mari ainda não sabia, mas o seu sentimento era recíproco, e tinha acabado de ser descoberto.

Elas ainda não sabem, mas ainda tem muita coisa para viver juntas.

Não Me É Estranho é um projeto que tem por objetivo contar histórias sobre as pessoas desconhecidas que vemos no nosso dia-a-dia. Para saber mais sobre o projeto, clique aqui.