Memórias de um jovem brasileiro nova-iorquino

Photo: Janet Delaney/Business Insider

2017 - Estou na sacada de meu prédio. Puxo uma cadeira para prosear comigo mesmo enquanto bebo chimarrão. São, na verdade, os preparativos para o ato de relembrar o passado.


Lembro-me bem da luz amarela que iluminava a cozinha enquanto eu preparava um rápido café antes de sair às ruas de Nova Iorque. Recordo-me de olhar para o relógio de parede. Eram onze horas da noite do dia 9 de outubro de 1983. Era aniversário de John Lennon, inclusive, cruelmente assassinado três anos antes.

1980 Buick Skylark in Risky Business, Movie, 1983/imcdb.org

Eu bebi um gole daquele café quente, mordi uma pequena fatia de pão com qualquer coisa dentro para “forrar o estômago” e saí apressado, pois a turma me esperava. Apenas eu tinha carro. Peguei as chaves do meu Buick Skylark e, no caminho, apanhei os meus amigos.

No rádio do carro - e isso é inesquecível -, tocava Hall & Oates com o sucesso Adult Education. O LP (recém-lançado na época) era demais, um fenômeno, e era nesse clima que eu e meus amigos rumamos às casas noturnas! As luzes da cidade pareciam nos mostrar que a noite era sempre muito curta para tantas novidades.

Eram muitas, as novidades. Sempre havia uma bebida nova, uma música espetacular, mulheres e até drogas, como a cocaína que chegou na época arrasando as ruas e as vidas de muitos conhecidos meus.

Depois de alguns minutos dirigindo pela cidade, finalmente chegamos. Fomos naquela noite ao Limelight, outra novidade nova-iorquina. Viu? Tudo era novo (inclusive eu!). Dentro do clube, as luzes brilhantes e coloridas duelavam com a escuridão. Os cheiros dos coquetéis, dos perfumes e das dezenas ou até centenas de cigarros acesos complementavam o ambiente.

A todo volume tocava The Police com Every Breath You Take, Michael Jackson, Irene Cara com What a Feeling, e a inesquecível (Keep Feeling) Fascination de The Human League.

Eu não consigo recordar-me de muita coisa mais daquela noite. Na verdade, o que possuo é um conjunto de memórias que foram quase catalogadas por mim, com “nostalgia” escrita à caneta na capa. Para que eu nunca mais esqueça o que fui e o que tive em Nova Iorque; e o que Nova Iorque teve e um dia foi - e esse dia terminou há mais de 30 anos…

Photo: Janet Delaney/Business Insider

Aceita um mate?