Fica pra amanhã

Você chegou, desordenou minha rotina e já foi embora.

Nem deu tempo de dizer que adoro as suas cicatrizes e fiquei fascinado com as histórias por trás de cada uma delas. Elas representam o quão forte você é.

Não tive a oportunidade de juntar suas roupas do chão depois do sexo, de tirar da gaveta uma toalha limpa e te avisar que o chuveiro está dando choque.

Não deu tempo de falar que não como ervilha, que minha cor favorita é a vermelha e que odeio o programa da Bela Gil.

Não deu para remarcarmos aquele cinema perdido ou de combinarmos um rodízio de comida japonesa para você descobrir que só sei diferenciar sashimi de hot roll.

Semana que vem é seu aniversário e não tive tempo de ajudar a montar a playlist do seu churrasco, ou de indicar quais são as musicas que escolhi pensando em nós dois.

Não deu tempo de te fazer uma janta numa quarta e ver você se oferecendo para lavar a louça por pura educação, porque já sei que também não gosta.

Não te contei da vez que quase fui preso na Argentina e você não disse quais são seus planos para o ano novo.

Não deu tempo de memorizar o número do seu celular ou de saber quanto você calça.

Só deu tempo de sentir seu sorriso enquanto me beijava e de me apaixonar logo em seguida.

— Cadê o texto que era para ser entregue hoje? — perguntou meu chefe no final do expediente.

Escrevi sobre você a tarde inteira, e agora não tenho desculpas para justificar meu desleixo no trabalho.

— Não deu tempo. — Respondi enquanto desligava o estabilizador — Fica pra amanhã.