Eu sou um homem doente,
doente de medo

Cansado do meu círculo
fujo

E eu existo
eu existo!

Me ache em mim mesmo

Estou aqui

Ouça meus prantos

E veja meus olhos medrosos
de quem nunca mais voltará

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Pedro’s story.