Como ler a Bíblia — REGRA 6 (Thomas Watson)

Regra 6

Leia a Palavra com seriedade. Erasmo diz que os que vão às Escrituras rapidamente pouco proveito obtêm dela. Mas, se forem sérios na sua leitura, ela é o sabor da vida. E bem que poderíamos ser sérios, se considerássemos a importância daquelas verdades que estão entrelaçadas neste volume sagrado: “Porque esta palavra não é para vós outros coisa vã; antes, é a vossa vida” (Dt 32.47).
Se alguém fosse abrir e ler uma carta, na qual se decidisse acerca de todas as propriedades de um homem, como não seria sério na sua leitura! Na Escritura nossa salvação está em jogo; ela trata do amor de Cristo, um assunto sério. Cristo amou a humanidade mais do que os anjos caídos (Hb 2.7). A magnetita, indiferente ao ouro e à pérola, atrai para si o ferro. Assim Cristo preteriu os anjos, que eram de natureza mais nobre, e atraiu a humanidade para si. Cristo nos amou mais do que a própria vida; na verdade, embora tenhamos sido participação na sua morte, isso não nos deixaria de fora de seu ato voluntário. Esse é amor que ultrapassa a compreensão; quem pode ler a esse respeito sem seriedade? A Escritura fala do mistério da fé, as recompensas eternas e a penúria daqueles que serão salvos: “Poucos são os escolhidos” (Mt 20.16).
Alguém disse que os nomes de todos os bons imperadores de Roma poderiam ser gravados em um pequeno anel; há apenas (comparativamente) poucos nomes no Livro da Vida. A Escritura fala de esforçar-se pelo reino dos céus como em agonia (Lc 13.24). Ela nos adverte acerca de não alcançar o descanso prometido (Hb 4.1); e descreve o horror dos tormentos infernais, do verme e do fogo (Mc 9.44). Quem pode ler semelhante coisa e não a levar a sério? Alguns têm espíritos leves, como de pena; eles correm por sobre as verdades mais pesadas a toda pressa (como Israel, que comeu a páscoa apressado), e não são beneficiados pela Palavra. Leia com um espírito solene e calmo. A seriedade é o lastro[3] cristão, que o impede de ser revirado pela vaidade.

[3]. “Areia, barras de metal ou outro peso que se mete no fundo do porão do navio que não leva bastante ou nenhuma carga” para que não vire (Dicionário Priberam).