Desenlace

vou dizer que não sei nomear
o sentimento propriamente dito.
dizer que sou mais um solitário por excelência.
canto alto as letras
que tiram as palavras surdas
de dentro da minha cabeça.
o menino uma vez me falou:
não sei se concordo, mas te entendo.
e eu fumaria um cigarro
pensando:
câncer invadiu minha vida
desta vez
com perigos imaginários
e cuidados verdadeiros.
no fim da tarde
olhei o sol se perder entre as nuvens do céu bonito.
o sol indo embora
à noite.
e veio uma epifania em mim.
foi a primeira epifania.
daí botei meu enésimo suspiro:
sentimento de dois gumes,
qual lado deve me cortar?
eu já sabia a resposta.
fui gente grande e
mostrei a obra ao menino
pensando na pele incólume
em seu suave perfume
no olhar de cem lumes
e no afeto
que provei entre cafés.
o menino era lúcido.
ele me entendeu
e concordou.
eu precisava assumir minhas fragilidades
e assumi.
no silêncio
com carinho
tudo certo no universo das almas.
tudo bem ao coração perdido.