Sou uma bagunça, eu sei disso.

Eu me sinto preso em meu próprio corpo. Eu só queria que as pessoas parassem de me perguntar “Tudo bem? ”, porque eu só queria gritar “Não! Não, eu não estou bem. É provável que nunca fique bem. Você sabe o que ser refém da sua própria mente? ”.

Esse é quem eu sou. Eu sou invisível, inaudível, indesejado. Isso é exatamente quem eu sou, isso se eu fui alguma coisa antes. Porque hoje, eu me olho e vejo apenas algo quebrado, estilhaçado em pedaços pequenos de mais para serem colados.

Eu queria conseguir mentir para mim e dizer que tudo irá ficar bem, queria conseguir mentir o suficiente para a mentira se tornar verdade, porém isso não vai acontecer, porque a verdade continua batendo em minha cara.

Meus olhos estão doendo, roxos e cansados de mais de ficar chorando o tempo todo. É inevitável, quando eu percebo que as lagrimas estão rolando novamente o meu rosto eu me pergunto “Porque eu estou chorando? ”. É sempre a mesma coisa, de novo e de novo e de novo.

Até esse ponto, eu sinto que eu tenho vivido duas vidas diferentes. Existe a vida que todos conseguem ver, e existe a vida que apenas eu vejo. Porque a verdade seja dita, só existe uma vida que todos conseguem ver e é a vida que você consegue transparecer para todos, você tenta dar o seu melhor sorriso e diz “Eu estou bem” e é fácil assim para que eles consigam ver que você está bem, está saudável, está feliz, quando na verdade, você está apenas sobrevivendo dia após dia com medo daquele ser o seu último dia. Mas a vida que apenas eu consigo ver, é uma vida de lutas intensas com os meus próprios demônios que voltam a me assombrar quando eu menos espero, é necessário apenas um gatilho para que tudo desmorone.

Alguns costumam falar “Você tem depressão? Isso vai passar, é apenas uma coisa momentânea. Nem mesmo é uma doença”. Isso me deixa com raiva, eu quero gritar quando eu ouço isso. Ter depressão se tornou tão popular que se reduziu a um momento quando você está triste por algo que deu errado, mas não é isso, não é apenas isso. Está triste por alo que não deu certo, por uma pessoa que morreu, por um rompimento de namoro, é normal. A verdadeira depressão não é quando algo na sua vida começa a dar errado e você fica triste, mas na verdade é quando algo na sua vida está indo completamente bem e você continua triste.

Por mais que o meu sorriso e a minha felicidade sejam aparentes, dentro de mim existe uma batalha constante, o que era luz se torna trevas. Eu me vejo afundando em um poço de problemas criados pela minha própria mente doentia e sádica, eu me vejo sem esperanças. Por isso eu tento ao máximo me apegar a cada momento de luz que adentra as trevas para usar como escape desse poço que a cada dia que passa fica sem um fundo.

Eu sei que isso é apenas uma fase, assim como um humor eu não estou sempre depressivo, mas se tornou tão constante que as vezes me pergunto se a felicidade que eu sinto, se esse pequeno pico de felicidade é real ou é apenas um sonho lúcido que eu estou vivendo em uma outra realidade onde tudo é perfeito. É minha forma de escapar dessa teia que se embaraça cada vez mais em meu corpo me prendendo e me sufocando. É cansativo de mais ser positivo o tempo todo, tentar ser positivo é tão cansativo que eu prefiro muitas vezes deixar apenas que a depressão faça o seu estrago diário para que o dia possa recomeçar quando eu voltar a dormir e acordar de manhã.

Eu sei que eu vivo uma vida melancólica, infelizmente eu me pego muitas vezes pensando “Se eu sumisse, alguém sentiria a minha falta? ”. São pensamentos assim que eu acho que afasto as pessoas. Minha energia é tão baixa e tão pesada as vezes, que as pessoas não querem ficar perto de mim. Aqueles que me conhecem, acham que eu sou assim, tenho picos de extrema felicidade, extrema raiva e extrema melancolia — Bipolar, como costumam dizer. Antes fosse, eu queria que fosse…. Eu desejava que fosse.

Sou uma bagunça, eu sei disso.