Como a Hype afeta nosso julgamento.

A hype se fortalece muito pelas diversas plataformas de interação social que temos hoje, mas até que ponto ela é real e se justifica? No meu caso, “Stranger Things” me mostrou como a hype age, apesar de ser uma boa série. Certo dia meu facebook foi bombardeado por comentários e compartilhamentos desta série, que até então eu não fazia ideia da existência.

A série trata de questões sobrenaturais, um “mundo invertido”, um monstro e muitas referências dos anos 80. Tudo isso é excelente, mas o toque principal é a atuações dos atores principais, um grupo de crianças muito carismáticas e que deixam os atores mais velhos no chinelo. Talvez o primeiro ponto a ser criticado é esse, ao meu ver alguns dos atores são fracos e são muito ofuscados pelo carisma de “Dustin”, o menino piadista e sem dentes que rouba a cena juntamente com “Eleven”, a garota misteriosa e sobrenatural.

Outro ponto seria a qualidade dos efeitos especiais com o mundo invertido e o monstro, mas por se tratar de uma série isso pode ser relevado. A temporada é muito boa, não explica muito sobre o mundo de Stranger Things e ainda deixa algumas pontas soltas para o futuro, mas ao analisar tudo que li a respeito e comparar com o que vi me deparo com a ação da Hype no discurso alheio. Li muitos comentários dizendo que era a melhor série de todos os tempos, que era superior à séries já consagradas. Tudo me deixava com o pé atrás e isso é bom. Mas não deixo de dar os méritos devidos. Séries como Breaking Bad, The Walking Dead, Game of Thrones estabelecem um padrão muito alto de qualidade, algo que não parece justo de comparar com Stranger Things.

Outra grande demonstração recente foi o lançamento do game mobile Pokémon GO. Lembro dos desenhos, dos jogos de game boy, do jogo de cartas, mas nada que me emocione tanto como se “percebe” nas pessoas. Claro que existem fãs de Pokémon, mas o game atinge de forma certeira grupos de pessoas que nunca tiveram o interesse, mas por se tratar de um jogo mobile de realidade aumentada, algo diferente do que temos no mercado, isso se tornou um grande atrativo, não importando alguma relação prévia com a marca. Pokémon GO foi uma ótima jogada para reativar a marca, mas não deixa de ter sua qualidade. Mas como explicamos o hype?

O jogo não foi lançado simultaneamente no mundo todo, logo alguns países tiveram que ficar esperando, sem data prevista, o lançamento do jogo. Imagine você criança, vendo seu primo mais velho ganhando um video-game de aniversário, mas seu aniversário é só no ano que vem. A sua expectativa fica gigante, mesmo não sabendo das reais qualidades do video-game. Esse é o caso de Pokémon GO.

A notícia a seguir mostra quão forte estava a hype desse jogo:

A conclusão que podemos tirar é que devemos usar as informações como base para assim termos a experiência, mas sem deixar que opiniões afetem nosso julgamento. É difícil não se empolgar por algo, mas devemos ter o mínimo de julgamento para ter clareza das coisas que consumimos.