O que é um Pequeno

Bom Negócio?

Por que e para que dar as mãos aos pequenos empreendedores


Ainda é muito comum ver gente imaginando que ganhará na megasena, no jogo do bicho, uma herança perdida ou qualquer outra coisa que irá nos fazer ricos da noite para o dia. Bela bobagem! O dinheiro mora em outro lugar: nos pequenos e bons negócios.

Segundo o Censo Americano, a participação de pequenos negócios na economia americana é de 99.7%. No Brasil, estudos do Sebrae mostram que, já em 2012, os pequenos negócios brasileiros tinham mais de 98.1% de participação na economia.

São estes pequenos negócios os grandes responsáveis pela geração de empregos e venda de produtos e serviços. Porém, uma dúvida persistia: será que eles já encontraram a internet?

Alô, eu queria pedir uma pizza…

Já experimentou pedir comida em casa, por exemplo? Provavelmente, já não é? Tudo pode ser muito fácil. Mas, e quando demora? E quando demora e você vê que o produto não é lá essas coisas (mesmo nas grandes redes); e quando você não consegue nem mesmo checar a procedência e reputação do lugar? Essas situações são facilmente contornadas pelas grandes redes. Muitas delas têm diversos tropeços. Agora, imagine um pequeno negócio, com poucos funcionários, gerenciando todo esse “problema de reputação”?

Muitos dos pequenos negócios funcionam localmente. As famosas startups são um fenômeno recente, muito concentrado entre aqueles que tiveram mais instrução formal. O “grosso” dos produtos e serviços oferecidos no Brasil são aqueles do dia-a-dia: restaurantes, bares, chaveiros, mecânicos, salões de beleza, cursos, quitandas, padarias, livrarias, e por que não, igrejas? Sim, elas também precisam manter sua base de fiéis e assinantes para se sustentar financeiramente!

Resolvendo problemas no Rio e trocando com o Brasil

Desde 2004, vivo o mercado de 3 cidades brasileiras: Niterói, cidade com maior número proporcional de “ricos” no Brasil; São Gonçalo, cidade média com mais de 1 milhão de habitantes com renda média; e Rio de Janeiro, 2ª maior metrópole do Brasil, socialmente confusa e caótica. As diferenças entre as três cidades são várias, mas em um ponto elas sempre se encontram: na estrutura precária.

No Rio de Janeiro, da zona sul à Barra, da zona norte à zona oeste, das favelas aos subúrbios, as dificuldades se confundem. Nas regiões mais ricas, muitos fazem o dever de casa, mas a precariedade é geral. Vendo isso, comecei a pensar no que podemos fazer para melhorar a situação do 2º estado mais rico da federação e, consequentemente, trocar experiência com o restante do país.

Ok, mas… qual é a proposta?

A proposta do Pequeno Bom Negócio é apresentar soluções para tirar o seu pequeno negócio local da escuridão, levando-o à internet com ações precisas, usando boas práticas que já foram sucesso em outros lugares, sempre adaptando à nossa realidade e dificuldades dos negócios que agitam nosso cotidiano.

GPS, Wi-fi, panfletos, brindes, cartazes, sites, facebook, tudo isso pode ser combinado, usando muito pouco dinheiro, otimizando tempo e atendendo bem aquele que importa no final das contas: o cliente.

Sou Matheus Graciano, designer, estrategista, marqueteiro e criador desse banco de ajuda aos pequenos empreendedores locais. Fique com a gente e inscreva-se para receber nosso conteúdo.

Like what you read? Give Pequeno Bom Negócio a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.