O dia contorna

O céu azul com tornar a alegria
dia de sol, beijos e crianças
escodem as partículas letras d’agonia
impresso no marrom da poeira
camiseta branca sem perder a cabeça.

Na avenida no viaduto desta candura
os insetos de ferro
da Tornearia Titã atravessam
E lá está abrigado o Rogério
no Russo, no Bar João
no Afonso, e no Bar do Beto.

Neste Parthenon dos deuses,
valei São Jorge e bebeu teu copo
tua sincope, teu suingue tantas vezes
Por seus mil terreiros
aquele solo de guitarreiro
seis mil axés do mel e do vespeiro

O céu estrelado comporta e a beberia
noite de lua, sexo e que encantaria
comida fascina, louça luxuriante
sabão nos olhos fim do dia
Boa noite!